21
Set 14

Nova Valadares cria 135 postos de trabalho

Um grupo de ex-quadros da Cerâmica de Valadares, em Vila Nova de Gaia, que foi declarada insolvente há dois anos, formou uma nova empresa, recuperando a marca de louça sanitária e criando 135 postos de trabalho. 

"Recuperar uma das marcas mais emblemáticas de Gaia, da região e do país é de uma enorme importância", comentou o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, na cerimónia de assinatura do acordo de colaboração entre a massa insolvente da Cerâmica de Valadares e a ARCH, que decorreu na autarquia.

A nova empresa – denominada ARCH – deverá começar a produção industrial no início do próximo ano. A maioria dos trabalhadores era da antiga Cerâmica de Valadares, que agora entram na ARCH mas com um salário "mais baixo".

"O nível salarial era muito elevado e seria um problema em si mantê-lo. O nosso propósito foi redimensionar a empresa, tornando-a mais pequena e racional", salientou Henrique de Barros, um dos administradores. 

A empresa terá como objectivo reforçar e apostar na exportação, nomeadamente para o mercado asiático e do Médio Oriente, explicou à agência Lusa Henrique de Barros. 

"Os produtos produzidos sempre foram de alta gama e de elevada qualidade, mas não tinham a dimensão internacional que agora lhe queremos dar", frisou. 

Os problemas de liquidez da Cerâmica de Valadares, uma empresa criada em 1921, começaram em 2010 e, dois anos depois, com o passivo a crescer e sem meios para responder às encomendas, foi declarada insolvente. 

O acordo entre a massa insolvente da Cerâmica Valadares e a ARCH pressupôs a venda de uma parte das instalações da antiga fábrica a uma empresa italiana de roupa italiana - La Perla - que irá criar outros 200 empregos.

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 12:27 | comentar | favorito
15
Ago 14

Vodafone à procura de jovens talentos de gestão, economia ou engenharia

A Vodafone tem a decorrer até ao próximo dia 17 as inscrições para o Discover Vodafone Graduates.

O programa visa encontrar jovens detentores de mestrados em gestão, economia ou engenharia e com "elevado potencial" para os quadros da Vodafone Portugal.

 

O Discover Vodafone Graduates arranca em outubro e tem a duração de um ano. Os candidatos " terão a possibilidade de conhecer funções diferentes na estrutura da Vodafone Portugal e participar em projetos onde poderão deixar a sua marca profissional e pessoal", informa a empresa. Podem ainda candidatar-se ao programa Columbus, que permite uma experiência profissional na Vodafone noutro país.

Saiba mais aqui sobre o programa e como se candidatar

O participantes recebem uma remuneração. "As pessoas que são selecionadas têm uma primeira experiência profissional (não é um estágio), com um pacote remuneratório adequado à funções e em linha com os valores que se praticam no mercado, nas áreas mencionadas na nota de imprensa", informa fonte oficial quando questionada pelo Dinheiro Vivo.

A oferta "inclui ainda todos os benefícios, adequados à função, que qualquer outro colaborador Vodafone tem", acrescenta a mesma fonte sem adiantar valores.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 12:23 | comentar | favorito
02
Ago 14

Programa de 1.500 estágios nas autarquias deve arrancar depois do Verão

O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) que prevê a disponibilização de 1.500 estágios nas autarquias deverá avançar em depois do Verão.

O projecto de decreto-lei que estabelece o regime jurídico do PEPAL foi publicado hoje no Boletim do Trabalho e Emprego (BTE) e estará em apreciação pública durante 30 dias, seguindo-se a aprovação em Conselho de Ministros. A entrada em vigor deverá ocorrer assim depois do Verão. 

Segundo o diploma, será dada prioridade à carreira de técnico superior (licenciados) do regime geral da função pública. Mas o programa pode, por portaria, ser alargado a outras carreiras. Os estágios estarão disponíveis nos serviços e organismos da administração local: autarquias, entidades intermunicipais, associações de municípios e de freguesias e empresas locais.

O programa de estágios destina-se a jovens desempregados até 29 anos de idade com licenciatura e que estejam inscritos nos centros de emprego do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Os estágios têm a duração de 12 meses, não prorrogáveis.

Será concedida uma bolsa cujo montante será fixado por portaria do Governo e subsídio de refeição.

O lançamento dos estágios será publicado no site da bolsa de emprego público (BEP), na página da entidade promotora e em, pelo menos, dois órgãos de comunicação social, sendo ainda comunicado à DGAL (Direcção-geral das Autarquias) e ao IEFP.

A disponibilização de 1.500 estágios nas autarquias estava prevista no acordo assinado entre o Governo e a Associação Nacional de Municípios (ANMP), celebrado no início do mês.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 10:44 | comentar | favorito
tags:
21
Jul 14

Norauto está a recrutar para nova loja no Algarve

A Norauto vai abrir uma nova loja em Portimão na segunda quinzena de setembro deste ano. Neste momento, a empresa está a oferecer oportunidades de emprego para a sua futura loja a pessoas que tenham sensibilidade para o mundo automóvel.

Estão abertas 18 a 20 vagas, das quais apenas uma corresponde ao cargo de chefia. Diretor de Centro, chefe de Oficina, mecânico, vendedor e rececionista são os diversos cargos que se encontram em aberto. Os requisitos curriculares pedidos a cada candidato, bem como a experiência profissional necessária, variam consoante a função a que estão a concorrer.

As candidaturas são feitas através da plataforma de recrutamento da empresa. No site, as ofertas estão dispostas segundo a área profissional e respetivas lojas Norauto. A informação adicional sobre as diversas funções, bem como os requisitos pedidos, estão descritos na página da candidatura.

 

A Norauto é uma empresa líder na área de manutenção automóvel. Inaugurou o seu primeiro centro auto em Portugal em 1996 e tem, atualmente, 18 lojas espalhadas de norte a sul do país. O Algarve, hoje apenas com a Norauto de Guia, é a zona que tem mais vagas de emprego disponíveis neste momento.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:21 | comentar | favorito
tags:
19
Jul 14

Mercedes-Benz abre 100 estágios em Portugal para estudantes

A marca alemã acaba de lançar um programa de uma centena de estágios para jovens que completaram o 9º ano e que procuram formação e trabalho na indústria automóvel.

A Mercedes, em parceria com a rede de concessionários e oficinas autorizadas, a Mitsubishi Fuso e a Dual - empresa de qualificação profissional associada à Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã -, possibilita, assim, a integração dos estagiários nos quadros da empresa.

A iniciativa tem o nome de Mercedes-Benz Pro Emprego e destina-se a apoiar jovens que procurem uma carreira profissional dentro do Grupo Daimler em Portugal. O programa decorrerá ao longo dos próximos 3 anos e o estágio, com vertentes teórica e prática, visa a formação específica sobre temas de mecatrónica (ramo da engenharia que combina engenharia informática, eletrónica e mecânica).

 

Durante o primeiro ano está prevista a entrada de 30 aprendizes no estágio, passando para 60 estagiários no segundo ano e cerca de 90 no terceiro. Entre 15 e 28 de julho, todos os interessados podem contactar os concessionários ou oficinas autorizadas Mercedes-Benz e Smart, ou oFacebook da marca para mais informações.

O protocolo do programa foi assinado esta terça-feira, no Classic Center da Mercedes-Benz em Sintra, pelo presidente da Mercedes-Benz Portugal, Joerg Heinermann, e pelo presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional, Jorge Gaspar.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 17:21 | comentar | favorito
03
Jul 14

Estágios profissionais têm novas regras este mês

As novas regras para os estágios profissionais deverão ficar prontas dentro de duas a três semanas, segundo o ministro da Solidariedade, Segurança Social e Emprego.

"Estamos a negociar com os parceiros sociais um conjunto de alterações e, neste momento, o processo está muito avançado", explicou Pedro Mota Soares, que justificou a suspensão "temporária" dos estágios profissionais com as negociações que decorrem com os parceiros sociais, "para que todas as novas candidaturas possam beneficiar das novas regras".

"São alterações com significado que mais uma vez fazemos a par e passo dialogando com os próprios parceiros sociais de uma forma muito direta", sublinhou o ministro, acrescentando que é intenção do Governo que "rapidamente estejam cá fora porque faz sentido que as novas candidaturas sejam aprovadas no novo quadro".

Pedro Mota Soares falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) de Portimão, onde ontem apresentou o Programa Formação Algarve, que visa a concessão de apoios para estimular a renovação e a conversão de contratos de trabalho de forma a combater os efeitos da sazonalidade no emprego da maior região turística do País.

O investimento previsto para 2014-15 ronda os 2,8 milhões de euros, devendo ser abrangidos mais de dois mil trabalhadores, estima o governante.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/Ec

publicado por adm às 21:13 | comentar | favorito
29
Jun 14

Há quase 17 mil empregos vagos, a maioria de baixa qualidade

Mais de 61% dos empregos vagos existentes, de um total de 16,7 mil na economia portuguesa, são de baixa qualidade, indicam os dados oficiais mais recentes.

Num contexto de fraca criação de emprego, percebe-se que o potencial mais expressivo continua nos patamares mais inferiores do mercado de trabalho.

As profissões ligadas aos serviços pessoais, de proteção e vendedores são as mais importantes em termos de vagas e também as que mais crescem neste indicador.

Numa altura em que começam a surgir alguns sinais de retoma, ainda que fraca e com algumas contradições - o PIB teve uma queda de 0,6% no primeiro trimestre, mas a taxa de desemprego também aliviou um pouco para 15,1% -, os resultados do resultados do Inquérito aos Empregos Vagos (IEV), do Ministério da Economia, permitem desenhar uma realidade algo desoladora.

As cinco categorias profissionais na parte inferior da distribuição das qualificações dominam. Além dos vendedores, que valem 20% do total dos empregos vagos, surgem a construção (19%), a jardinagem (1%), os trabalhos com máquinas e de montagem (11%) e os não qualificados (11%). As vagas para especialistas das atividades intelectuais e científicas, um grupo altamente habilitado, ficam-se por 11% do total.

Isto é, a economia (as empresas, sobretudo) tem pouco para oferecer a quem quer mudar de emprego ou sair do desemprego, registando uma das taxas mais baixas da Europa (os trabalhos disponíveis face ao total de empregos ocupados) no primeiro trimestre deste ano (0,6%) e a mais baixa na história recente (0,4% desde 2008).

O estudo (que não abrange a economia toda, a agricultura não entra, por exemplo) apurou 16758 empregos não preenchidos em Portugal no primeiro trimestre, valor que ainda assim teve um avanço homólogo de 50%.

O problema, de acordo com a análise do Eurostat, é que as vagas têm uma dimensão quase anémica e isso coexiste com um dos desempregos mais altos da Europa.

São sinais de que existe uma cristalização do mercado de trabalho e um desalinhamento entre competências oferecidas e procura. No caso de Portugal, as oportunidades são reduzidas não porque a economia esteja perto do pleno emprego, mas porque há pouca iniciativa, seja empresarial, seja na criação do próprio emprego, investimento fraco, um problema de crédito que subsiste e uma dualidade do próprio mercado laboral.

As empresas que disseram estar disponíveis para contratar - o empregador está preparado "para encontrar um candidato apropriado de fora da empresa em causa" e "pretende encontrar um candidato para preencher o lugar imediatamente ou dentro de um período de tempo específico" - têm ocupações pouco apelativas, sobretudo para uma população mais qualificada, que foi fortemente abalada pela crise e pelo desemprego.

Muitos jovens, muitos licenciados, optaram por emigrar.

Resposta passa pela liberalização

A resposta do Governo e da troika à esclerose do mercado de trabalho passa por desregulamentar ainda mais as instituições laborais, designadamente através de sucessivas revisões do Código do Trabalho, que liberalizaram os despedimentos, embarateceram as indemnizações e provocaram uma desvalorização salarial sem precedentes. Em cima da mesa está mais vaga destas.

Durante os anos três da troika, a dimensão investimento esteve praticamente ausente da solução. O crédito asfixiou milhares de PME, o sector que mais emprego cria na economia. Muitas faliram. A solução passou sobretudo pelo combate à dualidade do mercado laboral, com o Governo a repetir que se deve "proteger o emprego, não o posto de trabalho". E a acusar os trabalhadores mais antigos de serem quase inamovíveis, em prejuízo dos mais jovens e precários.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/e

publicado por adm às 14:46 | comentar | favorito
tags:
22
Jun 14

Visabeira Global está a recrutar 105 engenheiros e 35 gestores

A Visabeira Global está a recrutar mais de cem quadros para as suas operações na Europa, América Latina, África subsariana e Índia.

Até ao final do ano, a sub-holding do Grupo Visabeira (que agrega as empresas Viatel, Constructel, Televisa, Comatel e Visabeira) está a recrutar 105 engenheiros e 35 gestores.

As ofertas são dirigidas a recém-licenciados e a profissionais experientes nas áreas das telecomunicações, energia (electricidade e gás) e tecnologias de informação, segundo nota enviada às redações.

Os profissionais serão integrados em mercados como a Suécia, Dinamarca, Noruega, Alemanha, França, Bélgica, Espanha, Reino Unido, Rússia, México, Peru, Colômbia, Índia, e em países da África Subsariana.

As candidaturas podem ser feitas no site da empresa, na área de recursos humanos, onde estão listadas as ofertas disponíveis. É ainda possível fazer uma candidatura espontânea.

Saiba mais aqui

 

O Grupo Visabeira justifica este processo de recrutamento na estratégia de crescimento no mercado externo, que representa mais de metade das vendas do grupo em 2013. O ano passado Visabeira Global teve um volume de negócios de 563 milhões de euros e um EBITDA de 83 milhões de euros.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/e

publicado por adm às 12:36 | comentar | favorito
21
Mai 14

Multinacional vai criar 30 empregos em Viana do Castelo

Uma multinacional portuguesa do sector metalomecânico vai investir, até final do ano, quatro milhões de euros numa nova fábrica em Viana do Castelo que deverá criar 30 novos empregos, anunciou esta quarta-feira fonte do grupo.

"A Dexter Technologies SA, empresa metalomecânica, participada pela multinacional portuguesa AELUS e por capitais espanhóis, inaugurará a sua unidade industrial no último trimestre de 2014 no parque empresarial de Lanheses", lê-se no comunicado do grupo a que a Lusa teve acesso.

De acordo com as previsões da empresa, inicialmente a fábrica irá criar 30 postos de trabalho "nas áreas da engenharia financeira e operacional, os quais irão crescendo com o aumento esperado da atividade da fábrica".

A indústria avançada de metalomecânica de Viana do Castelo estará vocacionada para a "fabricação e prestação de serviços de montagem e operação e manutenção, formação profissional Dual, recrutamento especializado na área industrial e investigação e desenvolvimento".

 

A empresa exportadora das áreas das energias renováveis, da indústria naval e metalomecânica, pretende ainda "servir as empresas tanto da região, como do território nacional".

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 20:33 | comentar | favorito
10
Abr 14

Há 130 vagas para professores de artes no Estado. Dois terços são para conservatórios

O Ministério da Educação vai abrir cerca de 130 vagas para vinculação de docentes do ensino artístico especializado, com efeitos a 01 de setembro de 2014, e inicia negociações com os sindicatos relativas a este concurso na próxima semana.

Das cerca de 130 vagas que vão abrir neste concurso de vinculação extraordinária, 80 serão para preencher as necessidades dos conservatórios, adiantou o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar Casanova de Almeida. "O nosso ponto de partida é que possam concorrer a estes vagas os docentes que estejam em exercício efetivo de funções à data da candidatura numa das escolas, que tenham pelo menos cinco anos de serviço efetivo docente e três anos sucessivos de serviço com horário anual e completo, nos últimos seis anos", explicou o ministro da Educação, Nuno Crato, que classificou este concurso como "uma boa notícia" para os alunos das escolas.

De acordo com o ministro, as vagas foram fixadas tendo em conta as necessidades permanentes detetadas nas escolas onde lecionam estes docentes: António Arroio, em Lisboa, e Soares dos Reis, no Porto -- as duas escolas de ensino secundário artístico especializado -- e os conservatórios públicos de música e de dança. O ministro sublinhou que, com os concursos extraordinários que decorrem ainda este ano, o Governo vai ter vinculado aos quadros do MEC mais de 2600 docentes até ao final de 2014. Não garantiu, no entanto, que, no caso dos docentes do ensino artístico especializado, este concurso permita passar para os quadros todos os docentes que cumpram os requisitos adiantados como ponto de partida e que vão estar em cima da mesa nas negociações sindicais.

"É um concurso. E sendo um concurso vão ser selecionados os professores, de acordo com as suas candidaturas, com os lugares determinados através de uma consulta que foi feita a estas escolas. É sempre uma estimativa e a nossa estimativa é de que isto corresponda às necessidades permanentes do sistema e ao número de professores que se encontra nessas circunstâncias", declarou o ministro.

Em fevereiro, Casanova de Almeida reuniu com diretores das escolas secundárias do ensino artístico especializado, para discutir as condições e requisitos para o concurso extraordinário. Na altura adiantaram que, na Soares dos Reis, há cerca de 50 professores contratados sucessivamente, com uma média de oito contratos. José António Fundo, subdiretor da escola, referiu, no entanto, que desses 50, há 40 docentes que têm pelo menos cinco anos de contratos sucessivos. Na António Arroio são 56 os professores de técnicas especiais a contrato, num universo de 60, adiantou o diretor da escola, Rui Madeira.

As escolas preferiram, no entanto, não avançar estimativas para vinculação destes docentes, "para não criar expectativas irrisórias", disse José António Fundo. Com Lusa

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/Ec

publicado por adm às 21:07 | comentar | favorito