06
Jun 12
06
Jun 12

Governo alemão recorre à internet para recrutar imigrantes

A Alemanha lançou hoje dois sítios na internet para atrair mão-de-obra qualificada e superar a escassez destes profissionais, a qual, conjugada com o envelhecimento da população, ameaça a sua boa saúde económica.

Lançados pelos ministérios do Trabalho e da Economia e da Agência para o Emprego, os sítios dirigem-se ao pessoal qualificado na Alemanha (www.fachkraefte-offensive.de) e ao estrangeiro (www.make-it-in-germany.com).

O primeiro quer facilitar o contacto entre os trabalhadores alemães e as empresas nos sectores onde a procura é forte, como tecnologias, telecomunicações ou medicina.

Com mapas e números, mostra que os Estados ('Lander') de Baden-Wurtemberg, no Sul, e da Renânia-do-Norte-Vestefália, no Oeste, são os que apresentam maiores necessidades de pessoal qualificado e apela a "garantir em conjunto o futuro da Alemanha".

O segundo sítio, disponível em alemão e em inglês, tem por objetivo elogiar a qualidade de vida na Alemanha e facilitar a procura de emprego e instalação aos estrangeiros.

"Com o nosso portal, vamos mostrar aos trabalhadores estrangeiros qualificados porque vale a pena viver e trabalhar na Alemanha. Em particular, queremos mostrar-lhes que são sinceramente bem-vindos", afirmou, em conferência de imprensa, o ministro da Economia, Philipp Rosler, salientando que a iniciativa dirige-se aos Estados da União Europeia, mas também a outros.

O recrutamento de trabalhadores qualificados é uma prioridade governamental, dado que o envelhecimento acelerado da população e o desemprego baixo (6,7% em maio) compromete o futuro da economia alemã.

"Em 2025, a Alemanha, por razões exclusivamente demográficas, terá falta de até seis milhões de pessoas em idade ativa", afirmou, por seu turno, a ministra do Trabalho, Ursula von der Leyen.

"Se ativarmos todos os recursos sem utilização, desde logo no país, mas também cada vez mais no estrangeiro, a Alemanha tem boas possibilidades de permanecer um país forte na concorrência mundial", argumentou.

Já o presidente da Agência para o Emprego, Frank-Jurgen Weise, defendeu, com vista ao aproveitamento do potencial alemão, o aumento da participação no mercado de trabalho das mulheres e dos idosos, a formação dos desempregados e o combate ao insucesso escolar.

Em todo o caso, o recurso aos imigrantes é indispensável. Weise estima em 200 mil o número de trabalhadores estrangeiros qualificados por ano, para satisfazer a necessidade desta mão-de-obra.

A crise que afeta a Europa do Sul está a aproveitar à Alemanha, que está a conseguir atrair numerosos jovens diplomados europeus, sem perspetiva de emprego nos seus países.

Em 2011, esta situação permitiu-lhe acolher o maior número de imigrantes conhecido desde 1996.

Em particular, o número de pessoas provenientes da Grécia, apesar de fraco em valor absoluto, conheceu um crescimento de 90% em relação a 2010, enquanto que o número dos chegados de Espanha cresceu em 52%.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

 

publicado por adm às 13:40 | comentar | favorito
04
Jun 12
04
Jun 12

Conheça as empresas alemãs que vêm contratar a Portugal

BMW e DSPACE são as duas empresas que vêm, esta semana, a Lisboa contratar engenheiros portugueses.

A BMW e a DSPACE são as duas empresas alemãs que vêm hoje a amanhã a Portugal para recrutar portugueses. Procuram sobretudo engenheiros, nas áreas da mecânica e electrotécnica. A BMW é uma das maiores empresas do ramo automóvel e a DSPACE é a empresa líder mundial no fornecimento de ferramentas de hardware e software para desenvolver sistemas de controle electrónico para diversas indústrias.

O evento de contratação vai decorrer hoje e amanhã, em princípio, nas instalações do Instituto de Emprego e Formação Profissional, em Lisboa. "As empresas alemãs pretendem recrutar já e, por isso, pediram que o evento fosse fechado para que pudessem entrevistar os candidatos adequados ao perfil que pretendem", explica Alice Brandão, directora do serviço de colocações do IEFP e conselheira do EURES, a rede europeia de emprego. O que está previsto é que cada uma das empresas realize cerca de 40 entrevistas de manhã e 40 entrevistas à tarde. A boa notícia é que como é uma área técnica basta dominar o inglês.

Mas se ainda quiser concorrer poderá encontrar as informações no site EURES de Portugal. Basta entrar na página do IEFP e depois clicar em cima do símbolo do EURES. Em Setembro, o IEFP deverá organizar uma nova feira de emprego para a qual deverá convocar empresas alemãs, belgas e de outros países europeus.

Também a empresa alemã Glatthaar-fertigkeller gmbh & co KG quer contratar trabalhadores portuguesas para a construção. Pretendem contratar trabalhadores até aos 45 anos." Somos líderes de construção de caves e procuramos trabalhadores da construção com experiência, até aos 45 anos", sublinha Reiner Heinzelmann, director da empresa. Pode enviar a sua candidatura para reiner.heinzelmann@glatthaar.com.

Alemanha procura pessoas aventureiras
"Procuramos pessoas aventureiras, curiosas e determinadas e que saibam ultrapassar problemas". O convite abre o guia de como viver e trabalhar na Alemanha "Germany, Rigth in the Middle of It". Com um crescimento económico de 3,6%, este é um dos mercados com défice de quadros e pode muito bem ser uma boa escolha se está à procura de emprego. Outra boa notícia é o salário médio do país, que ronda os 3450 euros. Engenharia, saúde, apoio a idosos, apoio domiciliário, hotelaria, restauração e transportes são as áreas onde há mais oportunidades para os portugueses, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) português em conjunto com o seu congénere alemão. O organismo português já lançou um programa de recrutamento bilateral com a Alemanha. A primeira iniciativa chamou-se "Dias da Alemanha ", trouxe empregadores alemães a Portugal e contou com 600 participantes. O resultado foram contratações na área de enfermagem e transportes.

Pode encontrar cerca de 400 mil ofertas só no site do instituto de emprego alemão (www.arbeitsagentur.de). A maioria dos anúncios está em alemão, mas há também vagas em inglês. Poderá também encontrar algumas ofertas no site do IEFP. As campainhas soaram quando foi divulgado na Alemanha um relatório que recomendava que se facilitasse a entrada de imigrantes como uma das dez medidas para resolver o problema da falta de quadros qualificados no país. 0s mercados português e espanhol foram referidos como possíveis fontes de recrutamento.

De acordo com o director Executivo da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, Hans-Joachim Böhmer, estima-se o que "o número de pessoas passíveis de desempenharem funções profissionais deverá descer dos actuais 45 milhões para 38 milhões em 2025" . O que significa um défice de quase sete milhões de quadros.

Claro que se tiver algumas luzes de alemão pode concorrer a estas vagas mais facilmente. Mas para isso há diversas ofertas de cursos de formação. A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã promove cursos de 75 horas que garante o domínio básico da língua e a capacidade de entender um diálogo em alemão. Pode ser um bom ponto de partida para concorrer a um emprego. Há também inúmeros cursos no Instituto Goethe e nas escolas alemãs, em Lisboa e no Porto. Também o IEFP reforçou a oferta formativa de língua alemã, uma vez que a principal barreira a ultrapassar é o domínio da língua.

Um milagre na cidade de Schwabisch Hall
Cerca de 14 mil portugueses já concorreram a um emprego na cidade de Schwabish Hall. Só a agência de emprego da cidade recebeu mais de dez mil currículos de portugueses nas últimas semanas. Se a estes somarmos as candidaturas enviadas para as empresas, ao todo mais de 14 mil portugueses candidataram-se a um emprego em Schwäbisch Hall. Esta foi o efeito provocado pela reportagem publicada no suplemento Universidades & Emprego do Diário Económico. Tudo começou com o convite do presidente da câmara ao Diário Económico que, por estar a ter dificuldades em contratar mão-de-obra, decidiu convidar jornalistas de países com elevado desemprego para dar a conhecer as ofertas disponíveis.

Muitas das empresas dizem precisar de tempo para conseguir analisar a onda de currículos que invadiu as suas caixas de correio electrónico. Mas o centro de emprego recebeu, entretanto, pedidos de empresas de outras cidades que estão interessadas em contratar portugueses . Parte dos currículos foi também colocada na base de dados da agência federal de emprego da Alemanha, uma das principais fontes de recrutamento das empresas de todo o país.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 00:44 | comentar | favorito
01
Jun 12
01
Jun 12

Sector automóvel perdeu mais de cinco mil empregos até Abril

Estão em risco 2.500 empresas e 21 mil postos de trabalho.

Só nos primeiros quatro meses do ano, já foram despedidos mais de 5.200 trabalhadores ligados ao sector automóvel. Os dados são Instituto do Emprego e Formação Profissional e foram apresentados, esta semana, num encontro nacional realizado pela Comissão de Trabalhadores (CT) da Volkswagen (VW) Autoeuropa para debater a actual crise do sector automóvel.

As cinco fábricas de automóveis presentes em Portugal - VW Autoeuropa, Peugeot Citroën, Mitsubishi Fuso Truck Europe, Toyota Caetano e VN Automóveis - empregam directamente mais de seis mil trabalhadores. Na indústria de componentes para automóveis, o número sobe para 30 mil colaboradores, enquanto a rede de concessionários no País emprega cerca de 100 mil pessoas em mais de 30 mil empresas.

As empresas ligadas ao comércio automóvel são, para já, as mais afectadas pela conjuntura recessiva do País. Entre Janeiro e Abril deste ano, foram vendidos 37.788 carros novos no mercado português, o que representa uma quebra de 48,2% face a igual período do ano passado. De acordo com um estudo efectuado pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP), divulgado em Fevereiro do passado, a actual crise deverá levar ao encerramento de mais de 2.500 empresas e colocar 21 mil postos de trabalho em risco.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:24 | comentar | favorito