18
Mai 13

Vencer numa entrevista de seleção

Comece desde já a preparar a vitória, estabelecendo como objetivo: criar a melhor impressão possível no entrevistador. Saiba o que depende de si para o sucesso e comece desde já a preparar-se.

A impressão que causa desde o primeiro contacto com a empresa é muito importante. Há já uma expectativa da parte do empregador de acordo com o currículo que enviou e a forma como apresentou a sua candidatura. Essa impressão continua a ser construída quando lhe telefonam a marcar a entrevista. Seja simpática e sorria – sorrir quando fala ao telefone torna a sua voz mais agradável, transmitindo uma atitude positiva.

Preparação para a entrevista

1- Conhecimento da empresa

Pesquise tudo o que conseguir sobre a empresa a que se candidatou. Tenha em atenção o setor em que actua, a visão, missão e valores que normalmente são apresentados no site da empresa, os diversos departamentos existentes, o que a diferencia face a outras (produtos ou serviços inovadores, prémios recebidos), artigos de jornal ou revistas que a refiram. Identifique os aspetos positivos que em seu entender a caraterizam e construa um esquema com essa informação. Lembre-se que um candidato que conhece bem a empresa e revela entusiasmo e interesse por saber mais começa a diferenciar-se face aos outros.

2 – Estudo dos requisitos da função e do perfil do candidato

Avalie cada um dos requisitos exigidos para o desempenho da função de acordo com o seu currículo. Em relação aos requisitos pedidos que considera possuir, identifique todos os aspetos que se lembra, ou recorra ao seu currículo para ter bem presente o que deve indicar na entrevista, caso lhe perguntem.

Se há algum requisito que considera não possuir e mesmo assim foi selecionado para a entrevista, à partida não é um fator eliminatório. Analise cada um dos requisitos pedidos e não possuídos (ou possuídos, em parte) na perspetiva do que poderá vir a desenvolver de acordo com o seu potencial, de uma forma honesta e objetiva. Elabore um comentário para cada um, como por exemplo ao exigirem fluência numa língua estrangeira que até estudou, poderá transformar essa fragilidade à partida (não ser fluente no momento presente) numa força. Para isso, deve referir a sua facilidade na aprendizagem de línguas, levando-o rapidamente a corresponder a esse requisito. Deve fazer essa análise com sinceridade, pois caso contrário poderá afirmar algo que não poderá cumprir. Ao fazê-lo é uma forma de descredibilizar toda a restante informação.

Siga a mesma estratégia na análise do perfil necessário. Identifique as razões encontradas para justificar que por exemplo é uma pessoa com facilidade de comunicação ou que possui capacidade de decisão. Pense em situações profissionais ou pessoais que demonstrem as suas capacidades.

3- Antecipação das perguntas e treino de respostas

Pense nas possíveis perguntas que lhe irão fazer e escreva-as, desde as mais comuns às menos prováveis. Responda a todas tendo em atenção a imagem que quer passar, e estando de acordo com o os requisitos funcionais exigidos e com o perfil necessário para o desempenho da função.

Ensaie as respostas, falando diante de um espelho, ou mesmo gravando em vídeo, pedindo a um amigo que faça o papel de entrevistador. Ao visionar a forma como responde pode verificar a sua postura, gestos, tiques, impressão geral que causa, tendo assim possibilidade de melhorar um conjunto vasto de aspetos.

Nos dias que antecedem a entrevista reserve uns minutos para se imaginar na situação de forma positiva, analisando os pormenores do seu comportamento que pretende pôr em prática.

4- Prepare a sua apresentação pessoal e postura

De acordo com o setor de actividade e a empresa em causa, deve considerar a forma como vai vestido, as cores que deverá usar e adornos. Embora deva sempre considerar a importância de se sentir confortável, caso contrário terá implicações na sua postura, não demonstrando confiança.

É importante que a sua linguagem corporal seja reveladora de tranquilidade, controlando sinais exteriores de nervosismo, como por exemplo: excesso de movimentação corporal enquanto espera na sala, ou já na entrevista. Sente-se de forma confortável na cadeira tentando descontrair os seus músculos, pois estando contraído será mais difícil raciocinar e demonstrar à-vontade.

Antes de ir à entrevista tente ter tempo para se descontrair, lembre-se que se preparou, confie nas suas características, nas suas capacidades e na vontade de triunfar.

fonte:http://mulher.sapo.pt/

publicado por adm às 21:11 | comentar | favorito
14
Fev 13

Estágios comparticipados podem durar 12 meses a partir de hoje

Estágios serão alargados a Ordens profissionais e autarquias. Montantes da bolsa vão ser alterados e formação pode ser dada pela empresa.

A partir de hoje, os estágios do programa Impulso Jovem vão ter duração de 12 meses, o dobro do período actual. Por outro lado, as Ordens profissionais também podem ser abrangidas, já que passam a ser tidos em conta os estágios que tenham como objectivo o acesso a títulos profissionais. Com o novo regime, as autarquias também vão poder aceder ao programa.

A portaria que altera os actuais requisitos dos estágios entra hoje em vigor e também prevê que todas as candidaturas que já tenham sido decididas (antes do novo regime) possam beneficiar de mais seis meses de estágio, ao abrigo das novas regras.

Os destinatários dos estágios Passaporte Emprego, incluindo os destinados à Economia Social e a Associações Juvenis e Desportivas, terão de ser jovens entre 18 e 25 anos. Até aqui, em condições restritas, também podiam ser incluídos jovens até 30 anos. Por outro lado, desaparece o requisito relativo ao tempo mínimo de desemprego. Até agora, a medida só chegava a jovens desempregados inscritos no centro de emprego há mais de quatro meses; agora, apenas se exige inscrição sem qualquer limite temporal. Já no caso dos estágios na Agricultura, continuam a ser abrangidos jovens entre 18 e 35 anos.

Se, até aqui, apenas eram contemplados estágios nas zonas Centro, Norte, Alentejo e Algarve, a partir de agora, os estágios podem estender-se a todo o Continente.

Mais: a formação que é exigida em troca do apoio poderá ser dada em contexto de trabalho, durante o período de estágio. No regime anterior, a formação tinha de ser dada por entidade formadora certificada. A formação em contexto de trabalho deve conferir um certificado e quando o estágio for concluído com nota positiva, os jovens com nível de qualificação 3 (ensino secundário vocacionado para estudos de nível superior) passam a obter nível 4 (ensino secundário com dupla certificação ou vocacionado para ensino superior acrescido de estágio).

Os valores da bolsa mantêm-se para quem tem ensino superior (691,7 euros) mas variam noutros casos. Quem tem ensino pós-secundário passa a receber 586,9 euros e quem tem ensino secundário receberá entre 503 e 545 euros. Até aqui, todos estes jovens recebiam 524 euros. Nas restantes situações, a bolsa mantém-se em 419,22 euros. E se, até aqui, o jovem também recebia subsídio de alimentação e de transporte, a partir de agora, as despesas de transporte apenas são obrigatórias no caso de pessoa com deficiência ou incapacidade.

Por seu turno, a comparticipação do Estado relativamente à bolsa aumenta de 70% para 80% nos casos já hoje previstos e continua a ser de 100% para o primeiro estagiário em empresas com menos de 10 trabalhadores. A partir de agora, o subsídio de alimentação e o prémio devido pelo seguro de acidentes de trabalho será pago pelo Institudo do Emprego e Formação Profissional quando, até aqui, isso só acontecia no caso de jovens com deficiência ou incapacidade.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 20:36 | comentar | favorito
22
Jan 13

Governo vai limitar taxa do crédito ao consumo

O Governo prepara-se para limitar a taxa do crédito ao consumo. De acordo com o Jornal de Negócios, o executivo pediu ao Banco de Portugal que altere a fórmula de cálculo das taxas máximas praticadas no crédito ao consumo, para forçar a descida dos juros. Nos cartões de crédito e nas contas com saldo negativo, os valores chegaram quase aos 40% em Dezembro.  

A notícia faz manchete no Jornal de Negócios, que garante que a mudança deverá ser apresentada já no mês de Fevereiro de forma a colocar um "travão" nos juros cobrados nas diversas formas de empréstimo ao consumo. 

O anúncio do pedido ao Banco de Portugal para uma alteração na forma de cálculo das taxas de juro foi feito ontem pelo secretário de Estado adjunto da Economia, António Almeida Henriques, que deu como exemplo as taxas de crédito "revolving", onde se incluem os juros cobrados nos cartões de crédito, contas correntes bancárias e saldos negativos, cuja taxa chegou aos 37,3% em Dezembro passado. 

"Tem sido o sistema de crédito mais utilizado atualmente pelos clientes bancários e continua a ser incentivado pelas instituições crédito", disse o secretário de Estado. 

Ainda segundo o Jornal de Negócios, esta alteração pedida pelo executivo abrange também as taxas de crédito pessoal, atualmente com um limite de 7,2%, e o crédito automóvel, cujo teto está nos 17,1%.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 22:56 | comentar | favorito
tags:
07
Jan 13

Como dar um salto na sua carreira em dez passos

Se a opção é ir trabalhar para outro país, lance mãos à obra e invista na procura.

São recomendações que devem constar da agenda de qualquer executivo que queira garantir uma progressão na sua carreira e uma sobrevivência no seu posto de trabalho no ano que agora começa. Apesar da crise e do pessimismo, há que incluir algumas destas resoluções no seu plano de ataque ao novo ano, segundo a revista norte-americana "Forbes".

1.Consiga um aumento ou promoção: antes de mais, pense o que faz ou oferece, que vá ao encontro das necessidades da empresa. Por melhores que sejam as suas capacidades, se a empresa não precisar delas não justificará uma promoção ou aumento. Por isso, a melhor forma de garantir que tem o que a empresa precisa é fazer uma lista das suas responsabilidades diárias, quais foram os seus maiores projectos, futuras responsabilidades e, se possível, quantificar os seus ‘inputs'. Assim que conseguir reunir essa informação sobre o valor que pode acrescentar à empresa, treine a conversa mais difícil da sua vida com um amigo em quem confie.

2.Reduza o stress: tenha sempre em mente que não consegue fazer tudo sozinho, portanto, mais vale nem tentar. Não passe a vida com o mundo às costas. E a melhor forma de o evitar é perceber se o seu stress vem de terceiros ou se está a colocar demasiada pressão sobre si próprio. Se assim for, recue um pouco e comece por coisas simples, como dormir mais e fazer exercício físico. Não existe uma receita universal para diminuir o stress, cada pessoa tem de descobrir o que funciona melhor consigo: se é ir dar uma volta ao edifício, ligar a um amigo, jogar um jogo ‘online' por cinco minutes ou simplesmente respirar fundo. Seja o que for, tente introduzir essa prática ao longo do seu dia.

3.Seja mais organizado: só vai conseguir organizar-se a partir do momento em que tiver organizado a sua agenda e a sua secretária. A sua secretária reflecte-se directamente na forma como gere o seu trabalho e é a primeira impressão que terão de si. É importante manter o seu espaço de trabalho limpo e organizado porque também ajuda a reduzir o stress, a partir do momento em que conseguir encontrar o que procura mais fácil e rapidamente.
4.Arranje um novo emprego Se odeia o seu chefe e o que faz e não vê oportunidades de progressão, veja primeiro se poderá mudar de função na própria empresa, que é a maneira mais fácil de mudar no contexto de crise e que poderá ser bem sucedida.Se tiver competências em falta no mercado de trabalho, então olhe para fora e procure um novo emprego.

5.Melhore o equilíbrio entre a sua vida familiar e profissional Seja claro em relação aos seus limites e não prejudique constantemente a vida social e familiar em favor do trabalho. Se quer sair cedo, tente chegar mais cedo e rentabilizar a manhã. Outra solução é delegar mais. Experimente passar algumas das tarefas aos seus colegas e não tente ficar com tudo para agradar a todos, porque já se sabe que é impossível agradar a gregos e troianos. Por último, lembre-se que amanhã também é dia.

6.Faça networking de forma mais eficiente Sempre que embarca numa perspectiva de networking profissional e entra numa rede. relacione-se com os outros profissionais numa perspectiva de parceria. Lembre-se de que ambos estão na rede para partilhar, aprender e ajudarem-se profissionalmente.

7.Melhore a sua relação com o chefe e com os seus colegas Se há relação que tem de ser alimentada é a sua com o seu chefe, já que, no limite, é ele que controla o seu destino. E tem tudo a ver com comunicação. Esteja permanentemente em contacto com ele, de forma a mostrar-lhe o que vai fazendo e que está ali para o ajudar no que for necessário. Pergunte-lhe como pode ser melhor no seu trabalho e quais são as suas expectativas. Mas a cooperação com os colegas também não deve ser esquecida: tente conhece-los melhor e ofereça ajuda.

8.Desenvolva as suas capacidades de comunicação ser bom comunicador é meio caminho andado para ter sucesso no emprego. Se não for, experimente ter formação especifica ou ler livros sobre o assunto.

9.Volte a estudar Nunca é tarde para aprender e reciclar o que sabe. A formação ao longo da vida é cada vez mais importante. Há muitas opções para voltar a estudar em horário pós-laboral ou cursos online.

10 Lide melhor com o email e o voicemail Procure responder aos emails e telefonemas no próprio dia, se possível, dependendo do que exige a resposta e do seu tempo disponível. Uma maneira de evitar uma lista enorme de emails pendentes é limpar a sua caixa de correio electrónico regularmente. Quando ouve ou lê a mensagem e já registou a informação, apague, a não ser que precise mesmo de guardar a informação.

 fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 23:33 | comentar | favorito
09
Nov 12

Os 10 conselhos que precisa para encontrar um emprego de sonho

As dificuldades crescentes do mercado laboral obrigam a que os candidatos se adaptem para conseguir satisfazer as necessidades dos empregadores. Mas a competitividade do mercado laboral e da crescente taxa de desemprego fazem com que a tarefa seja mais difícil do que o desejado. Neste sentido, Sílvia Nunes da Page Personnel, deixa dez conselhos para que encontrar um emprego se torne mais simples. 

Siga o Dinheiro Vivo no Facebook e receba, todos os dias, as últimas novidades e oportunidades de emprego 

A Executive Manager lembra também que "o conhecimento de si próprio e dos seus objectivos pessoais e profissionais é um factor essencial para encontrar um emprego adaptado ao perfil do candidato".

1. Procurar emprego é um trabalho
A procura de emprego deve ser uma tarefa metódica para que se torne eficiente e dê frrutos. Organizar-se, definir uma rotina e estabelecer objectivos claros são factores que deve ter em mente para ter êxito.

2. Conheça-se primeiro
Antes de começar a procurar trabalho é muito importante saber em que ponto se encontra. Seja objectivo e analise a sua carreira profissional: as maiores realizações e resultados conseguidos, bem como os seus pontos fracos a melhorar. Pense, sobretudo, até onde pretende ir e em que período do tempo pretende consegui-lo.

3. O CV é a sua carta de apresentação
Dedique-lhe o tempo necessário e estruture-o para que se torne conciso e atractivo. É muito importante ser sincero e não mentir, destacando ao mesmo tempo os seus pontos fortes. As empresas recebem milhares de candidaturas. Por isso, captar a atenção de quem recruta é a chave para conseguir uma entrevista de trabalho.

4. Cultive-se nas redes sociais
A sua imagem desempenha um papel importante quando procura trabalho. Escolha com especial cuidado a imagem do seu perfil nas redes sociais e profissionais, bem como do seu currículo. Quando conseguir uma entrevista tente que a sua imagem reflicta o seu compromisso, atitude e respeito em relação à empresa e à pessoa que o entrevistará.

5. Crie uma rede de contactos
Utilize todas as ferramentas que tem à sua disposição para contactar os seus amigos e conhecidos. As redes sociais e profissionais como o Linkedin e Facebook, entre outras podem ajudá-lo a voltar a entrar em contacto com profissionais e conhecidos graças aos quais poderá conseguir novas oportunidades laborais. Além disso, seja activo e participe em grupos, feiras e eventos do sector no qual gostaria de trabalhar.

6. Seja proactivo e não reactivo
Manter uma atitude proactiva permitir-lhe-á ampliar o leque de oportunidades profissionais. Para além de contactar com empresas de consultoria especializadas em selecção e recrutamento e responder às ofertas através dos portais de emprego e redes sociais profissionais, envie a sua candidatura de forma espontânea para as empresas nas quais gostaria de trabalhar e explique os motivos. Desta forma, demonstrará o seu interesse pela empresa e a sua vontade de trabalhar.

7. Seja Flexível
Tente ser flexível e adapte-se às mudanças do mercado laboral. As empresas contam com novas necessidades e requerem perfis cada vez mais polivalentes e dispostos a mudar de residência. Centre os seus esforços e faça uma pesquisa selectiva, respondendo às ofertas que realmente encaixam no seu perfil.

8. Reinvente-se e aposte na formação
Os idiomas, os conhecimentos informáticos e as novas tecnologias são as áreas que mais necessitam de uma actualização contínua. Se está numa situação de desemprego ou pretende evoluir na sua carreira é importante que actualize a sua formação profissional para poder trazer valor acrescentado à empresa.

9. Mantenha um espírito positivo
Procurar emprego não é uma tarefa fácil e pode levar mais tempo do que o esperado, especialmente na actual conjuntura económica. Manter uma atitude positiva é indispensável e ajudá-lo-á a superar todo tipo de obstáculo que possa encontrar no caminho.

10. Prepare bem a entrevista
Antes de se apresentar para uma entrevista de emprego, pesquise o website de forma a informar-se sobre a empresa: áreas de negócio, produtos e serviços, bem como a filosofia da organização são pontos que devem ser analisados. Estes conhecimentos ajudá-lo-ão a sentir-se mais seguro e a poder guiar a entrevista, destacando os aspectos do seu perfil que mais se enquadram na empresa e mais se adequam com o cargo solicitado

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 23:13 | comentar | favorito
08
Nov 12

Mais de 45 anos e desempregado? Veja as soluções

O governo pretende combater o desemprego com medidas destinadas a casais com filhos e famílias monoparentais desempregadas, desempregados com mais de 45 anos e desempregados com níveis de qualificação superior.

Para isso facilitar o processo foram criados estágios profissionais e benefícios fiscais que incentivem as empresas a contratar pessoas mais velhas ou desempregadas há vários meses. Estes apoios, bem como os estágios estarão em vigor a 1 de janeiro de 2013, como revelou hoje Álvaro Santos Pereira.

"Já enviámos projetos de portaria para os parceiros sociais e tencionamos que entrem em vigor a 01 de janeiro de 2013", disse o ministro. 

Mas também existem facilitações ao nível dos centros de emprego que pretendem agilizar o processo de contratação. 

Os desempregados com mais de 45 anos já representam 32% da população mas o Governo pretende que um desemprego tardio não seja o fim da vida ativa. 

As medidas:

Estágios profissionais
O Governo promoveu a criação de estágios profissionais criados para ajudar casais em que ambos estejam desempregados ou famílias monoparentais.

Descontos fiscais
As empresas que contratem desempregados com mais de 45 anos poderão ter descontos fiscais. O Governo propõe um reembolso da Taxa Social Única em 75% para contratações com termo certo e de 100% para contratações sem termo.

Convocação para desempregados subsidiados
O IEFP está a chamar pessoas desempregadas há mais de seis meses ou com mais de 45 anos para actualizar os seus planos pessoais. O objetivo é agilizar a chamada para entrevistas e as convocatórias para emprego com a inserção em medidas ativas de emprego, que reforcem o potencial de empregabilidade e ou favoreçam a concretização de um trajeto  de retorno ao mercado de trabalho. 

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/Em

publicado por adm às 23:12 | comentar | favorito
05
Nov 12

Estas 10 empresas têm 490 vagas de emprego em Portugal

São várias as empresas portuguesas ou a actuar em Portugal que estão a contratar funcionários. Estas dez empresas têm dezenas de vagas de trabalho para preencher. As áreas são muito diversificadas bem como as características a eleger. Conheça:

Siga o Dinheiro Vivo no Facebook e receba, todos os dias, as novidades de emprego

Nestlé
A multinacional tem atualmente duas vagas em Portugal para representante de vendas em Lisboa e Aveiro e uma em São Paulo para Assistente Administrativo. 
Todas as vagas podem ser consultadas aqui

IBM 
A empresa tem uma presença forte pelo mundo e as vagas são constantes. Em Portugal existem actualmente duas vagas de emprego para Lisboa onde a exigência é o português como língua materna e fluência em inglês. A empresa também privilegia a experiência. 
As vagas destinam-se a Brand Client Representative e outra paraBusiness Analyst

NovaBase 
A empresa tecnológica tem atualmente 14 vagas para preencher nas mais variadas áreas de negócio, 12 em Portugal. Estas vagas destinam-se a formações em engenharia informática, tecnologias da informação ou equivalente. Veja aqui    

DRI
A DRI, integradora tecnológica e consultora global de origem portuguesa, está a contratar profissionais que ajudem a desenvolver o seu objectivo de internacionalização. 

As vagas têm como destino as várias áreas de negócio da empresa, mas às agora anunciadas vão juntar-se outras porque até ao final de 2013, a tecnológica quer aumentar o número de funcionários em 100%, com o recrutamento de cerca de 40 pessoas (veja mais).

BNP Paribas
O BNP Paribas Securities Services Portugal, unidade do banco francês especializada na liquidação e custódia de títulos, lançado em 2007 com cinco pessoas e que conta já com 800 colaboradores, quer contratar mais 200 funcionários nos próximos dois anos.
Conheça as vagas

Phillip Morris
A tabaqueira tem actualmente cinco vagas de emprego para Portugal nas áreas de vendas, operações e finanças. Na sua maioria as vagas destinam-se a Lisboa e Porto. 

Para as vagas existentes a empresa está a considerar formações nas áreas de Gestão, Marketing, Engenharia ou Ciências. Não é exigida experiência mas sim fluência em inglês. Conheça as vagas

Receba os alertas

Accenture
A Accenture Portugal tem atualmente 16 vagas de emprego para preencher por todo o país. As vagas são, na sua maioria, relacionadas com a área de consultoria, gestão, finanças e engenharia, e destinam-se ao território continental.
Veja aqui


Topikrelevo
A empresa de calçado Topikrelevo vai criar mais 60 postos de trabalho em Celorico de Basto, a partir de Janeiro de 2013, com a ampliação da sua fábrica no concelho, informou, esta sexta-feira, o presidente da Câmara.

MELOM
A empresa portuguesa especializada em obras e remodelações domésticas MELOM pretende recrutar 100 Agentes para trabalhar nas suas unidades MELOM, localizadas de norte a sul do país, até ao fim do ano. 

A MELOM pretende recrutar profissionais com experiência na área da construção e remodelação, como arquitetos, engenheiros, orçamentistas, que pretendam enveredar pela área comercial, ou gestores e comerciais que já trabalharam ou trabalham nesta área. Obrigatório é ter conhecimentos técnicos que permitam uma boa adaptação à função. Veja mais

Turijobs
Este agregador de empresas de turismo tem várias vagas para preencher em hotéis e restaurantes por todo o país. Neste momento existem 25 vagas em Lisboa, 15 no Porto e 13 em Faro. Procure aqui 

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:49 | comentar | favorito
04
Nov 12

Empregos à espera dos portugueses... lá fora

Enquanto milhares de portugueses desesperam com a falta de postos de trabalho, noutros países da Europa existem empresas que competem para conseguir recrutar pessoal. Portugal surge como um dos favoritos, nesta corrida aos contratos

"Os portugueses estão muito motivados, têm a mente aberta e uma boa capacidade de adaptação. Surgem com um bom nível de formação e têm bons conhecimentos de línguas. Queremos que olhem para a Finlândia como um potencial empregador ", afirma Katrina Pilrnes, da embaixada da Finlândia em Lisboa. A representação deste país na feira dos Dias Europeus do Emprego conta com o ajuda das conselheiras da rede Eures para o emprego. Esta rede europeia de apoio à pesquisa de emprego e formação dentro da União Europeia regista, atualmente, 1,2 milhões de ofertas ativas e 10 mil desempregados portugueses já inscritos.

As pesquisas podem ser feitas através da Internet ou com a colaboração dos conselheiros destacados em cada país.

A equipa de três finlandesas veio a Portugal, sobretudo, para apresentar o seu país e passar a ideia de que dispõe de muitos empregos à espera dos portugueses.

Mas a missão só ficará concluída quando conseguir preencher as vagas disponíveis. Com uma geração do pós-guerra a reformar-se e sem que as novas estejam a ocupar os lugares deixados vagos, muitos países do Norte da Europa estão a procurar mão-de-obra noutros Estados membros. As ofertas são variadas, mas incidem, em particular, nas áreas da saúde, serviços sociais, novas tecnologias e engenharias.

Na bancada do stande finlandês, amontoam-se folhetos e listas de empresas e profissões que estão no topo dos recrutamentos. Recém-licenciados e seniores organizam-se, em fila, à espera de saber o que tem a Finlândia para oferecer. Katrina confessa que o seu país tem ainda muitos passos para dar, até ser atrativo como os principais concorrentes, entre os quais se destaca a Dinamarca, instalada a seu lado, na feira. Este país, juntamente com a Noruega e a Suécia, "surge como um dos nossos grandes competidores, com tradição de recrutamento no estrangeiro", sublinha. É por isso que, a par dos salários generosos, as empresas finlandesas já têm quase como prática comum a oferta de cursos intensivos para a aprendizagem básica da língua, que é uma barreira gigantesca, a par do clima.

QUEM DÁ MAIS

Win de Johnghe veio à feira representar a Delaware Consulting, uma empresa tecnológica belga. É a primeira tentativa de recrutamento da firma, fora da Bélgica como não conseguia encontrar profissionais com as qualificações e a experiência de que precisa, decidiu enviar um representante a Portugal.

"Temos recebido candidaturas de todo o tipo de pessoas, mas o que mais nos surpreende é que, nestas primeiras horas, já falámos com mais candidatos experientes do que em todas as feiras de recrutamento onde temos participado, na Bélgica", conta Win de Johnghe. A empresa procura, sobretudo, profissionais das áreas de SAP e Microsoft e oferece salários que variam entre 2 mil e os 7 mil euros, consoante as qualificações.

Pelo que Win de Johnghe espera chegar ao final da feira com novos contratos em vista. Na entrada, o stande belga era um dos mais ativos, com folhas A4 afixadas, a divulgar o número de médicos, enfermeiros, empregadas domésticas e outros profissionais necessários.

Entre a Finlândia e o Reino Unido, Bruno, Marta e Vanessa trocam impressões sobre os dados que vão recolhendo nos vários standes. Os três colegas finalistas da licenciatura em Serviço Social vieram juntos à procura de uma oportunidade fora de Portugal, cansados dos estágios curriculares, profissionais e candidaturas sem resposta. Alguns dos seus colegas já partiram para a Holanda e o Reino Unido. No caso de Bruno, a saída do País é-lhe familiar já que os pais estiveram emigrados 14 anos, na Alemanha.

E não têm medo de sair de casa dos pais e ir para fora? "Não! Temos medo é de morrer à fome e viver sem oportunidades. ", respondem prontamente.



fonte: http://visao.sapo.pt 

publicado por adm às 22:52 | comentar | favorito
03
Nov 12

Cursos para ajudar a encontrar emprego

ISEG e BNP Paribas avançam com uma formação para licenciados desempregados.

Ajudar os licenciados à procura do primeiro emprego e desempregados a conseguir um lugar no mercado de trabalho. Este é o principal objectivo da pós-graduação em Gestão de Operações Bancárias que o ISEG vai lançar, em parceria com o BNP Paribas.

Uma formação "completamente inovadora ao nível da cooperação universidade/empresa, promovendo a integração dos alunos directamente no mercado de trabalho", explica Landeiro Vaz, um dos coordenadores do curso. E no final espera-se que parte destes alunos acabem por ficar a trabalhar no banco francês que recentemente anunciou a criação de um centro de competências em Portugal. Outra vantagem é o facto do BNP Paribas pagar 80% do custo da propinas a pagar pelos alunos, a entidade bancária custeia cerca de 2.800 euros dos 3.500 euros do custo total.

As candidaturas abrem hoje e decorrem até ao final do mês de Novembro. Podem concorrer licenciados ou finalistas em gestão e economia que tenham "aptidões para iniciar uma carreira na área bancária ou financeira" e que não estejam no mercado de trabalho. Dominar a língua inglesa, ter pensamento lógico, competências de comunicação e de trabalho em equipa, motivação e capacidade de organização são algumas das características procuradas. Mas falar outras línguas como francês, alemão, italiano ou espanhol é uma vantagem na hora da escolha. O processo de selecção dos alunos será feito pelo ISEG e o BNP Paribas. O curso com a duração de nove meses, tem início marcado para Janeiro do próximo ano. E há lugar para 15 a 20 estudantes. Do lado do BNP Paribas, Alexandra Canadas, director comercial do banco é outro dos directores do curso. A entidade bancária assegurará a "componente de aprendizagem ‘on the job', através do sistema de aprendizagem no local de trabalho, segundo modelos alemão e francês". Para além disso a pós-graduação dá acesso ao mestrado em Finanças.

A experiência de cooperação com as universidades do BNP Paribas arrancou no ano passado, com a criação de uma Pós-Graduação em Tecnologias de Informação e Comunicação para Serviços Bancários, em parceria com o ISEGI, Universidade Nova e Sybase. Além de remunerada, a Pós-Graduação foi a primeira formação académica on-the-job em Portugal, garantindo um posto de trabalho no BNP Paribas Securities Services a todos os formandos que a concluíssem com sucesso. Esta Pós-Graduação já vai na segunda edição e actualmente já formou 13 alunos, dez dos quais já são colaboradores do BNP Paribas Securities Services.

BNP Paribas investe em Portugal
Até 2015, o BNP Paribas vai investir cerca de dez milhões de euros em Portugal criando cerca de cem empregos. Até agora, esta entidade bancária já investiu cerca de 2,5 milhões em Portugal para criar uma infraestrutura em Lisboa que centralizará a execução de pagamentos e recebimentos de clientes de nove países europeus (Portugal, Reino Unido, Holanda, Irlanda, Grécia, Espanha, Noruega, Bulgária e Itália). O BNP Paribas vai ainda reforçar a sua aposta em formação através da criação de um Centro Europeu de Formação com sede em Lisboa. O banco francês está há 26 anos em Portugal, empregando actualmente cerca de 1.500 pessoas.

Trabalho publicado na edição de 30 de Outubro de 2012 do Diário Económico


publicado por adm às 17:15 | comentar | favorito
28
Out 12

Conheça os países que procuram enfermeiros em Portugal

Os candidatos deverão ter alguma experiência profissional e saber falar outra língua.

Os enfermeiros que queiram trabalhar noutro país têm neste momento oportunidade de o fazer na Alemanha, na Suíça e, no caso de quererem viver uma aventura maior, na Arábia Saudita. No geral, precisam de ter alguma experiência, mesmo que de poucos anos, e conhecimento de outras línguas.

Se quer lançar-se num mundo novo, saiba que a Arábia Saudita está à procura de enfermeiros em Portugal para todas as áreas hospitalares, com alguma experiência profissional, de pelo menos três anos, e um bom nível de inglês.

A oferta fala em "bons salários", sem especificar o montante, alojamento gratuito, três refeições pagas e pacotes de viagens pagos para o país de origem. Além disso, os interessados podem ainda contar com seguro de saúde e 46 dias de férias.

A Best Personnel é a empresa que está a fazer o recrutamento em Portugal, dando preferência a candidatos com capacidade de planeamento e organização, boas capacidades de comunicação e com residência e situação regularizada na União Europeia.

Para os interessados, o currículo em inglês - em formato Word e com foto com a referência Arábia Saudita - deve ser enviado para a Best Personnel.

Também a Alemanha procura enfermeiros, com e sem experiência, através do The International Placement Service (ZAV), o departamento da Agência Federal de Emprego alemã. O anúncio está no portal Eures e procura ainda outros profissionais de saúde para hospitais públicos e privados e clínicas.

Além do diploma, a agência alemã de emprego exige bons conhecimentos de inglês (falado e escrito) e dá preferência a quem saiba falar alguma coisa de alemão ou pelo menos mostre disponibilidade em começar a aprender, já que muitos empregadores pagam o curso de alemão.

A oferta de emprego refere que haverá um período de "integração" como assistente de enfermagem para avaliar a competência do candidato e os progressos feitos na língua alemã. A ZAV compromete-se ainda a ajudar na procura de casa. Os interessados devem enviar o currículo em inglês ou alemão para o Eures, o portal europeu da mobilidade que, em Portugal, está associado ao IEFP.

A Suíça, através da Europe Emploi - Capital Humain procura, também no Eures, enfermeiros com especialização em obstetrícia /neonatologia, cirurgia (instrumentistas e anestesistas), medicina geral e geriatria para trabalharem em hospitais, clínicas e lares de terceira idade. Precisam de ter alguma experiência, de pelo menos dois anos, e um bom nível oral de francês. Para quem se queira candidatar está tudo explicado no portal Eures para onde deve ser enviado o currículo. O salário indicativo referido vai dos 48 mil aos 83 mil euros anuais.

Trabalho publicado na edição de 15 de Outubro de 2012 do Diário Económico

 

publicado por adm às 19:44 | comentar | favorito