09
Mar 12

EUA criam 227 mil novos postos de trabalho

A economia norte-americana criou 227 mil novos postos de trabalho em fevereiro, face ao mês anterior, apesar de a taxa de desemprego se manter estável em 8,3 por cento, no nível mais baixo desde há três anos.

De acordo com os números divulgados esta sexta-feira pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos, o emprego aumentou nos setores transformador e mineiro, nas empresas de serviços, saúde, assistência social e nas atividades de lazer.

No entanto, o número de empregos criados em fevereiro é inferior aos 284 mil registados em janeiro, valor que foi revisto em alta face aos 243 mil da primeira estimativa e que superou ligeiramente os 223 mil observados em dezembro, refere em comunicado.

O emprego aumentou no setor privado na ordem dos 233 mil postos de trabalho, enquanto que o emprego público se manteve estável em fevereiro.

Em 2011, a economia dos Estados Unidos viu ser suprimida uma média de 22 mil empregos por mês.

O desemprego manteve-se praticamente estável em fevereiro, ao passar dos 12,75 milhões de janeiro para os 12,8 milhões em fevereiro, situando-se a taxa de desemprego oito décimas abaixo da registada em agosto do ano passado.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 21:43 | comentar | favorito
08
Jul 10

Novos pedidos de subsídio de desemprego nos EUA baixaram

Os pedidos de subsídio de desemprego nos EUA caíram mais que o previsto na passada semana, segundo dados oficiais divulgados hoje, mas para os economistas esta descida não é indicativa de uma recuperação do mercado de trabalho.


De acordo com o Instituto do Emprego norte-americano, na última semana, até 3 de Julho, registaram-se menos 454.000 pedidos de subsídio de desemprego, mas os números não convencem os analistas, que não interpretam o decréscimo como sinal de melhoria do mercado de trabalho.

"O mercado de trabalho permanece instável, pelo que a redução [de pedidos de subsídio] na passada semana não altera essa percepção", afirmou Andrew Gledhill, economista da agência de notação financeira Moody's, citado pela agência de notícias France Press.

 

Atingir uma taxa de desemprego de 9,5% é um desafio fundamental para o presidente Barack Obama, à frente da maior economia do mundo, que enfrenta a pior recessão das últimas décadas.

Desde Dezembro de 2007 mais de oito milhões de pessoas perderam o emprego nos EUA.

 

De acordo com dados fornecidos pelo Departamento do Trabalho norte-americano, até finais de Junho deste ano os EUA contabilizavam 14,6 milhões de norte-americanos no desemprego.

Diário Digital / Lusa

 

publicado por adm às 23:11 | comentar | favorito
tags: