06
Abr 15

Tem o 9.º ou o 12.º ano? Aqui há vagas para formar 360 estagiários

O grupo português ISQ tem vagas para formar 360 estagiários nos sectores da Energia (Eletricidade e Gás), Automação, Electrónica, Manutenção Industrial, entre outras, concretamente nas funções técnicas, durante três meses.

Estes estagiários estão entre os 450 desempregados a quem o ISQ vai dar formação, ao abrigo de uma parceria estabelecida com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), no âmbito das suas medidas "Aprendizagem" e "Vida Activa".

A parceria entre o ISQ e o IEFP permitirá qualificar pessoas em mecânica e manutenção industrial, instalações elétricas, instalador e soldador de redes de gás, mecânico de aparelhos de gás e aquecimento central, controlo e qualidade alimentar, electrónica e automação, logística operacional, energias renováveis, análise laboratorial, funções relevantes para os setores da indústria, energia, automação e manutenção industrial.

Para poder aceder à formação, os candidatos têm de ter habilitações ao nível do 12.º ano ou do 9.º ano caso tenham experiência na área. Deverão ainda estar inscritos num centro de emprego.

Após três meses de formação, seguem-se mais três meses de estágio. Estes, não representam qualquer custo para as empresas aderentes à iniciativa do ISQ, que ficam apenas obrigadas a proporcionar trabalho ajustado à formação e fornecer uma avaliação do estágio. Já os participantes, pelo seu lado, comprometem-se com a procura activa de emprego nesses seis meses.

A formação decorre no campus do ISQ em Oeiras que dispõe também de um conjunto de laboratórios equipados com meios técnicos para capacitar os formandos nas respectivas áreas.

Mais informações aqui.

"No ISQ temos acumulado um grande saber técnico em sectores que estão em crescimento, como o Oil & Gas. Ao partilhá-lo com quem está desempregado, esperamos ir ao encontro de um dos objectivos das medidas criadas pelo IEFP, que é melhorar a empregabilidade das pessoas», explica Marta Branquinho Garcia, Coordenadora de Formação do Grupo ISQ.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 21:23 | comentar | favorito
tags:
02
Ago 14

Programa de 1.500 estágios nas autarquias deve arrancar depois do Verão

O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) que prevê a disponibilização de 1.500 estágios nas autarquias deverá avançar em depois do Verão.

O projecto de decreto-lei que estabelece o regime jurídico do PEPAL foi publicado hoje no Boletim do Trabalho e Emprego (BTE) e estará em apreciação pública durante 30 dias, seguindo-se a aprovação em Conselho de Ministros. A entrada em vigor deverá ocorrer assim depois do Verão. 

Segundo o diploma, será dada prioridade à carreira de técnico superior (licenciados) do regime geral da função pública. Mas o programa pode, por portaria, ser alargado a outras carreiras. Os estágios estarão disponíveis nos serviços e organismos da administração local: autarquias, entidades intermunicipais, associações de municípios e de freguesias e empresas locais.

O programa de estágios destina-se a jovens desempregados até 29 anos de idade com licenciatura e que estejam inscritos nos centros de emprego do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Os estágios têm a duração de 12 meses, não prorrogáveis.

Será concedida uma bolsa cujo montante será fixado por portaria do Governo e subsídio de refeição.

O lançamento dos estágios será publicado no site da bolsa de emprego público (BEP), na página da entidade promotora e em, pelo menos, dois órgãos de comunicação social, sendo ainda comunicado à DGAL (Direcção-geral das Autarquias) e ao IEFP.

A disponibilização de 1.500 estágios nas autarquias estava prevista no acordo assinado entre o Governo e a Associação Nacional de Municípios (ANMP), celebrado no início do mês.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 10:44 | comentar | favorito
tags:
19
Jul 14

Mercedes-Benz abre 100 estágios em Portugal para estudantes

A marca alemã acaba de lançar um programa de uma centena de estágios para jovens que completaram o 9º ano e que procuram formação e trabalho na indústria automóvel.

A Mercedes, em parceria com a rede de concessionários e oficinas autorizadas, a Mitsubishi Fuso e a Dual - empresa de qualificação profissional associada à Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã -, possibilita, assim, a integração dos estagiários nos quadros da empresa.

A iniciativa tem o nome de Mercedes-Benz Pro Emprego e destina-se a apoiar jovens que procurem uma carreira profissional dentro do Grupo Daimler em Portugal. O programa decorrerá ao longo dos próximos 3 anos e o estágio, com vertentes teórica e prática, visa a formação específica sobre temas de mecatrónica (ramo da engenharia que combina engenharia informática, eletrónica e mecânica).

 

Durante o primeiro ano está prevista a entrada de 30 aprendizes no estágio, passando para 60 estagiários no segundo ano e cerca de 90 no terceiro. Entre 15 e 28 de julho, todos os interessados podem contactar os concessionários ou oficinas autorizadas Mercedes-Benz e Smart, ou oFacebook da marca para mais informações.

O protocolo do programa foi assinado esta terça-feira, no Classic Center da Mercedes-Benz em Sintra, pelo presidente da Mercedes-Benz Portugal, Joerg Heinermann, e pelo presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional, Jorge Gaspar.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 17:21 | comentar | favorito
04
Ago 13

A Portucel tem 50 estágios remunerados

A Portucel Soporcel tem 50 vagas para estágios remunerados, de 12 meses, com licenciados em engenharia química, mecânica, eletrónica, ambiental, de materiais, bioquímica e informática, bem como jovens com cursos profissionais de nível 4/5, nas áreas de eletrónica, automação e mecatrónica.

As vagas são para as unidades da empresa em Cacia (Aveiro), Figueira da Foz e Setúbal.

Os interessados podem-se candidatar através do site da Portucel Soporcel, até ao dia 10 de agosto.

A Portucel Soporcel fabrica e comercializa papel, nomeadamente o papel Navigator para impressoras.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 00:37 | comentar | favorito
28
Mai 13

Saiba como concorrer a cinco mil estágios

Estágios são dirigidos a jovens licenciados, mestres ou doutores, até 30 anos de idade. A remuneração ronda os 800 euros.

O "Movimento para o Emprego" foi lançado esta semana pela Fundação Gulbenkian, a COTEC Portugal, em parceria com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). O objectivo é conseguir até 2014 uma oferta de cerca de cinco mil estágios remunerados para jovens qualificados em várias empresas que operam em Portugal. A medida surge numa altura em que mais de 140 mil jovens licenciados estão desempregados e que o desemprego jovem está acima dos 40%, segundo os últimos dados do INE. Saiba aqui como se pode candidatar ao novo prograna.

1. Quantos estágios estão já assegurados ao abrigo desta iniciativa? Segundo dados avançados pela Fundação Gulbenkian e pela COTEC Portugal, são já 108 as empresas que aderiram ao Movimento para o Emprego, com uma oferta global de 3.205 estágios. A empresa com maior número de vagas é a Nokia Siemens, que está a oferecer mais de 300 estágios. Há ainda onze empresas cuja oferta ultrapassa as 100 vagas.

2. Quem se pode candidatar aos programas de estágios? A iniciativa é dirigida a jovens qualificados até aos 30 anos de idade. Assim, quem tem uma licenciatura, um mestrado ou doutoramento poderá concorrer aos programas de estágios. Para isso, terá de estar inscrito nos centros de emprego do IEFP. A candidatura poderá ser feita directamente nos centros do IEFP ou pela Internet (http://movimentoparaoemprego.iefp.pt).

3. Qual a remuneração oferecida ao estagiário? De acordo com o presidente do Conselho de Administração da Fundação Gulbenkian, Artur Santos Silva, a remuneração será de cerca de 800 euros por mês, incluindo subsídio de refeição. O estágio tem a duração de um ano

4. Há garantia de emprego nas empresas que aderiram ao Movimento? Cada estágio tem a duração de um ano, não havendo qualquer garantia de empregabilidade. O objectivo, segundo os promotores da iniciativa, é o aumento das qualificações bem como aumentar as possibilidades de inserção profissional numa altura em que o desemprego atinge cerca de 140 mil jovens licenciados.

5. Como será financiado? O estágio será financiado em 80% por fundos públicos, sobretudo fundos comunitários e o restante encargo caberá à empresa.

6. Que empresas aderiram já ao movimento? Entre as 108 empresas que estão a oferecer estágios contam-se várias instituições financeiras, como a Caixa de Depósitos (CGD), o Millennium bcp ou o BES. Integram ainda a lista das empresas a Microsoft, a Nokia Siemens, o Ikea, os CTT, a Refer, a REN, a CP ou a Cruz Vermelha. Há ainda várias fundações a oferecerem estágios, como por exemplo, a Fundação Champalimaud ou a Fundação Oriente. Os promotores da iniciativa esperam que mais empresas venham entretanto a aderir.

7. Que tipo de estágios estão a ser oferecidos? Segundo o site do Movimento para o Emprego, as ofertas são de várias áreas: engenharia, psicologia, sociologia, contabilidade, gestão, marketing, entre muitas outras, de empresas situadas em vários pontos do país. 

[artigo publicado na edição de 27 de Maio no Suplemento Emprego e Universidades do Diário Económico]

fonte:http://economico.sapo.pt/
publicado por adm às 22:12 | comentar | favorito
14
Fev 13

Estágios comparticipados podem durar 12 meses a partir de hoje

Estágios serão alargados a Ordens profissionais e autarquias. Montantes da bolsa vão ser alterados e formação pode ser dada pela empresa.

A partir de hoje, os estágios do programa Impulso Jovem vão ter duração de 12 meses, o dobro do período actual. Por outro lado, as Ordens profissionais também podem ser abrangidas, já que passam a ser tidos em conta os estágios que tenham como objectivo o acesso a títulos profissionais. Com o novo regime, as autarquias também vão poder aceder ao programa.

A portaria que altera os actuais requisitos dos estágios entra hoje em vigor e também prevê que todas as candidaturas que já tenham sido decididas (antes do novo regime) possam beneficiar de mais seis meses de estágio, ao abrigo das novas regras.

Os destinatários dos estágios Passaporte Emprego, incluindo os destinados à Economia Social e a Associações Juvenis e Desportivas, terão de ser jovens entre 18 e 25 anos. Até aqui, em condições restritas, também podiam ser incluídos jovens até 30 anos. Por outro lado, desaparece o requisito relativo ao tempo mínimo de desemprego. Até agora, a medida só chegava a jovens desempregados inscritos no centro de emprego há mais de quatro meses; agora, apenas se exige inscrição sem qualquer limite temporal. Já no caso dos estágios na Agricultura, continuam a ser abrangidos jovens entre 18 e 35 anos.

Se, até aqui, apenas eram contemplados estágios nas zonas Centro, Norte, Alentejo e Algarve, a partir de agora, os estágios podem estender-se a todo o Continente.

Mais: a formação que é exigida em troca do apoio poderá ser dada em contexto de trabalho, durante o período de estágio. No regime anterior, a formação tinha de ser dada por entidade formadora certificada. A formação em contexto de trabalho deve conferir um certificado e quando o estágio for concluído com nota positiva, os jovens com nível de qualificação 3 (ensino secundário vocacionado para estudos de nível superior) passam a obter nível 4 (ensino secundário com dupla certificação ou vocacionado para ensino superior acrescido de estágio).

Os valores da bolsa mantêm-se para quem tem ensino superior (691,7 euros) mas variam noutros casos. Quem tem ensino pós-secundário passa a receber 586,9 euros e quem tem ensino secundário receberá entre 503 e 545 euros. Até aqui, todos estes jovens recebiam 524 euros. Nas restantes situações, a bolsa mantém-se em 419,22 euros. E se, até aqui, o jovem também recebia subsídio de alimentação e de transporte, a partir de agora, as despesas de transporte apenas são obrigatórias no caso de pessoa com deficiência ou incapacidade.

Por seu turno, a comparticipação do Estado relativamente à bolsa aumenta de 70% para 80% nos casos já hoje previstos e continua a ser de 100% para o primeiro estagiário em empresas com menos de 10 trabalhadores. A partir de agora, o subsídio de alimentação e o prémio devido pelo seguro de acidentes de trabalho será pago pelo Institudo do Emprego e Formação Profissional quando, até aqui, isso só acontecia no caso de jovens com deficiência ou incapacidade.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 20:36 | comentar | favorito
28
Jan 13

Candidaturas para 1905 estágios na Função Pública arrancam hoje

Estágio tem a duração de 12 meses com a remuneração mensal de 691,7 euros.

O INA - Direcção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas anunciou que o período de candidatura ao Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública Central (PEPAC) arranca hoje e termina a 8 de Fevereiro de 2013.

Em comunicado, o INA lembra que esta "é uma iniciativa governamental inserida no Programa "Impulso Jovem" , que visa "proporcionar uma experiência profissional em contexto real de trabalho". No total "estão disponíveis 1905 estágios, a decorrer em todas as capitais de distrito e regiões autónomas".

Podem candidatar-se ao PEPAC "jovens licenciados, até aos 30 anos, à procura do primeiro emprego, desempregados à procura de novo emprego ou activos à procura de emprego correspondente à sua área de formação e nível de qualificação", lê-se no documento.

Quanto às remunerações, "será atribuída uma bolsa de estágio correspondente a 1,65 vezes o IAS (Indexante de Apoios Sociais), no valor de 691,71 euros mensal, bem como subsídio diário de refeição, equivalente ao fixado para os trabalhadores da Administração Pública", explica o INA.

Os estágios têm a duração de 12 meses, não prorrogáveis, com início previsto a 3 de maio de 2013 e o processo de candidatura é conduzido através do site do PEPAC, acessível no portal da Bolsa de Emprego Público.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 21:11 | comentar | favorito
18
Jan 13

Administração pública tem 1905 vagas de estágio para 2013

O número de Estágios profissionais na administração pública previstos para este ano já está fixado. São 1905 vagas e as candidaturas começam já no dia 28. 
Uma portaria publicada hoje em Diário da República estabelece a abertura do concurso para o Programa de Estágios profissionais na administração pública central (PEPAC) para o ano 2013. 

Onde se pode candidatar
As candidaturas são apresentadas exclusivamente através do preenchimento de formulário de candidatura on -line, disponível 
no site da Bolsa de emprego Público.


As candidaturas começam a ser entregues no dia 28 de janeiro e prolongam-se até ao dia 8 de fevereiro, para estágios a iniciar no inicio do mês de maio. 

Como funciona o processo
Até ao dia 8 de março de 2013, os candidatos admitidos provisoriamente são o, listados alfabeticamente no sítio do PEPAC e agrupados pelas  áreas de educação e formação e pelos distritos em que o candidato se disponibilizou para realizar o estágio. 

Até ao dia 9 de abril de 2013, os candidatos são provisoriamente ordenados no sítio do PEPAC, através da  aplicação da fórmula de avaliação curricular e, até ao dia dia 2 de maio de 2013, os candidatos são selecionados, em face das vagas disponíveis, por cada entidade promotora, por cada área de educação e formação, e por cada distrito.
Os estágios iniciam-se a partir do dia 3 de maio. 

Valor da bolsa atribuída
Aos estagiários é concedida, por cada um dos 
12 meses de duração do estágio, uma bolsa de estágio equivalente 1,65 vezes o valor correspondente ao indexante dos apoios sociais (IAS), ou seja 691,7 euros.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:11 | comentar | favorito
tags:
18
Out 12

Aqui há estágios para seis mil jovens

O secretário de Estado da Agricultura anunciou na última noite que seis mil jovens da área da agricultura vão ter estágios profissionais remunerados durante seis meses.

«São estágios para jovens com entre 18 e 35 anos», disse José Diogo Albuquerque, citado numa nota enviada pelo Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (MAMAOT), sublinhando o facto de «pela primeira vez, esta medida se aplicar na agricultura», escreve a Lusa.

Segundo o documento, «os jovens vão receber entre cerca de 420 e 691 euros, em função do grau académico que tiverem, e vão receber formação profissional, através das Organizações de Agricultores e das empresas agrícolas, para o exercício de funções no setor agrícola».

«As empresas receberão um prémio de integração desde que, no final, decidam contratar o formando», indicou ainda o secretário de Estado.

Esta medida representa «um investimento da ordem dos 20 milhões de euros, financiado pelo Fundo Social Europeu, e faz parte do Programa Impulso Jovem que prevê um investimento de 344 milhões de euros para um universo de 90 mil formandos¿, lê-se na nota do MAMAOT.

O responsável sublinhou o facto de «o setor agrícola estar muito dinâmico e a atrair um número crescente de jovens agricultores».

De acordo com dados fornecidos pela tutela, no último ano, 200 jovens por mês apresentaram candidaturas ao apoio ao investimento e, de acordo com José Diogo Albuquerque, «as exportações do setor cresceram, nos últimos dez anos, cerca de 6,2 por cento, contra os quatro por cento da média da economia».

«Os apoios mais regulares, a linha de crédito para o investimento de 150 milhões de euros anunciada esta semana e o esforço para ter uma cadeia alimentar mais equilibrada, são fatores que podem ajudar a reforçar este dinamismo», concluiu o secretário de Estado da Agricultura.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:16 | comentar | favorito
01
Ago 12

Jovens desempregados já se podem candidatar a estágios

Os jovens entre os 18 e 35 anos, inscritos nos centros de emprego, poderão candidatar-se, a partir desta quarta-feira, a estágios profissionais ao abrigo do programa «Impulso Jovem», de acordo com uma portaria publicada em Diário da República.

«A presente portaria regula as Medidas Passaporte Emprego, Passaporte Emprego Economia Social, Passaporte Emprego Agricultura e Passaporte Emprego Associações e Federações Juvenis e Desportivas, doravante designadas por Passaportes Emprego», lê-se no documento.

O programa «Impulso Jovem» foi aprovado a 6 de junho em Conselho de Ministros e possui um fundo superior a 344 milhões de euros e que cobre um universo de 90 mil jovens.

O Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME assenta em três pilares: estágios profissionais, apoio à contratação, à formação profissional e ao empreendedorismo, e apoios ao investimento, revela o comunicado do Governo, escreve a Lusa.

O acompanhamento do Plano será garantido através de uma comissão presidida pelo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.

Esta comissão reunirá mensalmente com os parceiros sociais para garantir a monitorização externa da execução do Programa.

Integram também a comissão os secretários de Estado da Administração Pública, do Desporto e Juventude, da Economia e do Desenvolvimento Regional, do Emprego, da Agricultura, do Ensino Superior e da Solidariedade Social.

O montante, proveniente da reprogramação dos fundos comunitários (Fundo Social Europeu e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), destina-se a fomentar o emprego entre os jovens, cuja taxa de desemprego se situa nos 36,6 por cento.

De acordo com um documento do Executivo enviado em março ao presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, o Governo previa vários cenários, sendo que o primeiro, menos ambicioso, passava pela reprogramação de fundos comunitários e que, a ser aceite, permitiria alocar 351,7 milhões de euros ao «Impulso Jovem». Neste cenário, seriam beneficiados 77 mil jovens.

No segundo cenário, mais ambicioso, o Governo propôs a Bruxelas um reforço das verbas comunitárias, o que, a ser aceite, permitiria a Portugal alocar para este programa mais de 651 milhões de euros e, assim, beneficiar quase 165 mil jovens.

Entre as várias medidas propostas a Bruxelas destacam-se o «passaporte-emprego», com vista à criação de estágios profissionais a desempregados inscritos há pelo menos quatro meses nos centros de emprego e no âmbito da qual será atribuída uma «bolsa de apoio» à entidade empregadora, diferenciada por grau académico. Esta medida é ainda acompanhada do prolongamento desta bolsa de apoio por mais seis meses às empresas que acabem por contratar os estagiários por um período mínimo de dois anos.

O «Impulso Jovem», visa responder ao desafio lançado por Durão Barroso durante o Conselho Europeu de janeiro, e visa reduzir o desemprego jovem nos países da União com taxas mais elevadas.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 22:53 | comentar | favorito