Conheça as profissões mais bem pagas em Portugal

A crise atinge todas as empresas, mas há funções onde a procura de profissionais ainda é maior que a oferta e são mais bem remuneradas.

Com o número de desempregados, em Portugal, a aumentar de dia para dia e muita gente satisfeita só por ter um emprego, uma profissão com um bom salário parece um achado. Mas é possível encontrar algumas.

O Diário Económico foi perguntar aos especialistas do mercado quais as profissões onde há mais possibilidade de se ter uma remuneração melhor: "Engenharias tecnológicas e de produção, marketing estratégico, saúde e investigação científica e funções técnicas especializadas, como carpinteiros, canalizadores e electricistas", diz Tânia Silva, ‘manager' do Hay Group e responsável pela área de estudos salariais da consultora.

Segundo um estudo desta consultora, um profissional da área das tecnologias de informação poderá esperar ganhar mais 13% do que a média do mercado geral. Este cálculo é feito pelo Hay Group com base numa amostragem de mais de 200 empresas de todos os sectores de actividade, tendo por base apenas funções intermédias.

E porque são estas profissões mais bem pagas que as outras? Tem tudo a ver com a lei da oferta e da procura e, nalguns casos, as razões são evidentes. "As profissões relacionadas com o desenvolvimento de tecnologias que maximizem a produtividade e a rentabilidade têm tido uma forte procura e consequentemente são mais bem pagas", explica Tânia Silva.

Amândio da Fonseca, presidente da empresa de recrutamento Egor, também considera os engenheiros das novas tecnologias e sistemas de informação como das profissões mais bem remuneradas. "Começam logo a ganhar entre 800 a 1.200 euros, em início de carreira. Quando adquirem experiência chegam aos três a cinco mil euros por mês. São funções especializadas e cujas limitações salariais são mais flexíveis", diz.

Já Pedro Brito, ‘partner' da consultora Jason Associates tem dúvidas que todas as funções tecnológicas sejam assim tão bem pagas: "Os consultores de SAP e ERP são bem pagos, mas a nível do ‘software' já pagam mal".

O ‘partner' da Jason Associates destaca ainda os elevados salários das engenharias de especialidade, em especial de mineração e geologia, para irem trabalhar para países emergentes. "Há muita procura de portugueses licenciados nestas engenharias", diz Pedro Brito.

No caso da saúde, o envelhecimento da população na Europa justifica um aumento salarial acima da média do mercado. O ‘partner' da consultora Jason Associates não tem dúvidas que os médicos de especialidade, como cirurgiões ou mesmo os dentistas, estão no topo das profissões mais bem pagas. "Há médicos que alugam blocos operatórios para fazer maratonas cirúrgicas e ganham milhões. Aqui é que se nota a grande diferença para o mercado ‘corporate' normal", diz Pedro Brito. No entanto, também no caso da saúde, "não se pode generalizar".

Amândio da Fonseca coloca os médicos a par dos advogados e de outras profissões liberais: "São muito bem remuneradas quando se atinge um determinado estatuto. E aí nem sequer obedecem a valores de mercado".

Banca paga melhor
As funções técnicas especializadas também são fáceis de perceber porque já são e vão continuar a ser tão bem pagas: "À medida que o nível de escolaridade aumenta, diminui a oferta de recursos disponíveis para responder às necessidades do mercado", justifica a ‘manager' do Hay Group.
"Temos um filho de uma colaboradora que não quis estudar e decidiu ser canalizador e é um profissional de sucesso", conta Amândio da Fonseca.

Olhar para o marketing como uma profissão das mais bem pagas, quando há tantos licenciados deste curso no desemprego, pode ser mais difícil de perceber, mas a explicação é dada por Tânia Silva: "As principais razões deste aumento salarial estão relacionadas com a perspectiva de crescimento à escala global das empresas nacionais, que origina uma preocupação acrescida em criar marcas também elas globais". A ‘manager' do Hay Group chama-lhe marketing estratégico, "que tem ganho alguma relevância face a outras funções com conteúdos similares".

Claro que não são os recém-licenciados, virados para o ‘trade' marketing, que vão ganhar bem, mas os profissionais especializados e já com experiência no mercado.

O ‘partner' da Jason Associates refere ainda que em muitos sectores, como a banca, a advocacia ou as consultoras há uma grande diferença entre o que se paga a um júnior e o que se paga a um sénior.

Amândio da Fonseca coloca a questão em termos sectoriais: "Uns sectores pagam melhor que outros. Por exemplo, tradicionalmente a banca paga bem. Os directores de topo chegam a ganhar sete ou oito mil euros por mês de remuneração base. Depois ainda têm uma componente de remuneração variável forte, com bónus que dependem dos resultados", defende o presidente da Egor.

Mesmo com os cortes que houve em todos os sectores devido à crise e que também atingiu a banca - a redução de efectivos no Banif foi apenas um dos exemplos mais recentes, em Portugal -, este continua a ser dos que pagam melhor. Além da banca, Amândio da Fonseca cita a distribuição e as telecomunicações, embora fiquem um pouco abaixo das remunerações da banca. Pelos cinco, seis mil euros, por mês.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 19:39 | comentar | favorito