Profissões que prometem melhor emprego

As áreas onde vão ser precisos mais profissionais nas próximas décadas

Os tempos estão difíceis para todos na hora de procurar emprego. Mas algumas áreas prometem um futuro melhor do que outras. O «Diário Económico» revela esta sexta-feira que, de acordo com os especialistas, há profissões onde (ainda) é possível contar com um bom emprego.

Uma das áreas de futuro é a saúde, devido ao envelhecimento da população, que vai aumentar a necessidade de cuidados. Por isso, não estamos a falar apenas de médicos e enfermeiros, mas todas as profissões ligadas à saúde e ao cuidado de idosos (geriatria).

«O envelhecimento da população leva a que a geriatria e o acompanhamento de pessoas idosas sejam áreas em expansão», afirmou José Bancaleiro, da Stanton Chase. Este envelhecimento torna importantes «não só os cuidados primários, mas também a prevenção na área da saúde», acrescentou Pedro Brito, da Jason Associates. «A saúde vai ficar mais cara e encarecer o risco na área dos seguros, por isso, haverá uma aposta grande na área da prevenção. Surgiu até já uma moda em Inglaterra, entre os gestores de topo, que é o life health coaching», diz.

Também as profissões ligadas às Tecnologias de informação e Comunicação vão continuar a ser importantes. Não só as engenharias de telecomunicações e electrónicas, mas tudo o que é marketing onlinee-commercee-learning tem futuro.

As engenharias especializadas como as de som, sistemas, termodinâmicas, de energias renováveis, etc., também são profissões de futuro, tal como as funções especializadas ligadas às energias (e não apenas as renováveis). Por exemplo, os engenheiros geológicos serão previsivelmente muito procurados por países emergentes. As engenharias ligadas às energias limpas serão também cada vez mais importantes.

Por fim, os especialistas apontam ainda para as profissões ligadas à indústria aeroespacial: engenharia aeroespacial e não só. O turismo no espaço também promete ser uma área de cresciemnto.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 22:25 | comentar | favorito