Desempregado? Esta pode ser uma boa oportunidade para si

Se está desempregado e procura novas oportunidades de formação e emprego, isto pode interessar-lhe: a Fernave vai lançar em breve o primeiro Curso de Formação Inicial de Maquinistas para o mercado em geral. Ou seja, não precisa de ter nenhuma formação prévia nesta área.

Em comunicado, a empresa explica que decidiu lançar o curso «face às alterações que se perspetivam no sector dos transportes e, em particular, que o sector ferroviário irá ter no futuro próximo».



O Curso de Formação Inicial de Maquinistas, cuja primeira edição está prevista iniciar-se em Outubro deste ano, aguarda apenas a homologação por parte da entidade reguladora, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) e «é dirigido a todas as pessoas que tenham um mínimo de 20 anos de idade, o 12º ano de escolaridade e reúnam condições de aptidão física, mental e psicológica para o exercício da função de condução de comboios».

A formação terá a duração de 9 a 10 meses, incluindo formação teórica, prática e estágio de aperfeiçoamento de condução em linha.

O processo de receção de candidaturas será lançado «em finais de agosto», altura em que serão realizadas sessões de apresentação deste curso em Lisboa, Porto e Entroncamento e para todos os que estiverem interessados. 

O senão é que «o valor da formação será integralmente suportado pelos candidatos, obtendo estes no final do curso a habilitação para o exercício da função de condução de comboios para a rede ferroviária nacional e no futuro (assim que a Diretiva Comunitária seja transposta em Portugal), para as demais redes ferroviárias da Comunidade Europeia».

«Esta é mais uma iniciativa que a Fernave pretende desenvolver no quadro das alterações que se perspetivam do modelo de governação e de gestão do sector ferroviário nacional e, também, de abrir ao mercado a possibilidade de acesso a uma profissão que até à data apenas estava disponível mediante as iniciativas próprias dos operadores de transporte ferroviários de passageiros e de mercadorias», explica em comunicado.

«Tal como já aconteceu para o sector aéreo, o sector ferroviário nacional irá sofrer uma profunda reformulação no que concerne à certificação e habilitação das competências profissionais que asseguram o seu normal funcionamento e cumprimento de requisitos regulamentares, sendo necessário preparar o mercado nacional para o eficaz cumprimento das diretivas e normativos comunitários», conclui.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt

publicado por adm às 16:42 | comentar | favorito