Quer uma «oportunidade»? UE ajuda 5 mil a encontrar emprego

Convites à emigração dos jovens não têm faltado. Mas mais vale simplificar. Em vez de se pensar que estão a quererexpulsá-los país, sempre podem encarar a «oportunidade» para aterrarem naquilo que já muitos designam por casa-mãe: a Europa. Por isso, quem quer passar da possibilidade aos atos, pode aproveitar o projeto piloto lançado pela Comissão Europeia esta semana para ajudar os jovens a encontrar emprego. 

«O teu primeiro emprego Eures» é como se chama a iniciativa, que pretende «melhorar mobilidade transfronteiriça para 5.000 pessoas.Também servirá como um campo de testes para transformar o Eures - a rede de serviços de emprego europeu - num serviço de emprego pan-europeu», mais alargado e efetivo.

Este projeto piloto surge na sequência daquilo que foi anunciado pela Comissão de Emprego em abril, no sentido de fazer com que o Eures proporcione maior transparência no mercado de trabalho europeu, ajudando tanto candidatos como empregadores.

«Parte da solução»

«Marca os nossos primeiros passos para um serviço mais personalizado na colocação» de pessoas no mercado de trabalho que pretende ajudá-las «a encontrar empregos em outros países europeus», explica, num comunicado divulgado no site europa.eu, o comissário para o Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão, László Andor. 

No fundo, a ideia é «ajudar as pessoas com competências relevantes a encontrar empregos noutros países que precisam dessas habilidades pode ser parte da solução para a crise de desemprego da Europa», numa altura em que mais de 5,5 milhões de jovens europeus estão à procura de trabalho.

Bruxelas promete um acesso mais fácil, e em tempo real, às vagas de trabalho disponíveis na União Europeia e indicar, a quem quer contratar, um conjunto de candidatos com as competências adequadas ao trabalho em causa. 

Por agora, segundo a Comissão, há quatro serviços de emprego no terreno, na Alemanha, Espanha, Dinamarca e Itália, com o intuito de ajudarem os jovens a procurar e, lá está, encontrar trabalho noutros Estados-membros.

Se tem entre 18 e 30 anos tem aqui uma «oportunidade». Não é dada pelo primeiro-ministro, mas esta é mesmo real. Com direito a uma espécie de bolsa para financiar a viagem, entre 200 e 300 euros. E ainda há mais um extra que pode ir até aos 1.200 euros, dependendo do país de destino, para ajudar o trabalhador nos primeiros tempos.

Também as pequenas e médias empresas, que na lógica europeia têm até 250 funcionários, podem solicitar apoio financeiro para cobrir parte do custo de formação, nomeadamente linguística, dos trabalhadores recém-recrutados.

Se está interessado, consulte o guia do «Primeiro emprego Eures» em http://ec.europa.eu/social/main.jsp?catId=993.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:49 | comentar | favorito