Seis passos mágicos para conseguir o melhor emprego

Traçar um plano é essencial. Saiba como o fazer e quais os passos a dar.

Antes de se lançar em qualquer aventura para conseguir um melhor emprego deve "planear e ter uma abordagem estruturada e o mais organizada possível", afirma Mariana Branquinho da Fonseca, ‘partner in charge' da Heidrick & Struggles. A responsável pela empresa de gestão de talento traçou as seis etapas mágicas para construir uma carreira de sucesso na sessão "Como abordar o mercado de trabalho", organizada pela European Professional Women's Network (EPWN) Lisbon na Ordem dos Economistas.

"Numa situação de crise, em que por vezes somos postos fora de uma empresa, devemos encarar o acontecido como oportunidade. Podemos, por exemplo, fazer nascer uma ‘start up', que empregue imensas pessoas", afirmou na abertura da sessão Mónica Santiago, presidente da EPWN Lisbon.

"O planeamento estratégico da carreira é determinante para a ‘caminhada' que cada um pretende efectuar", acrescenta Mariana Branquinho da Fonseca. Um plano em seis etapas que deve seguir para ter uma abordagem de sucesso ao mercado de trabalho.

1. Tem que definir quem é
Para isso, deve fazer uma auto-avaliação crítica e objectiva das suas competências. "Ninguém é perfeito". Há que reflectir sobre em que é que somos bons . O planeamento de carreira começa com o reconhecimento de que cada um é único e singular. É preciso trabalhar os seguintes aspectos: personalidade; atitude (para com os outros e a vida em geral); competências e habilidades; valores e missão pessoal; interesses, gostos e zonas de conforto e planos para o futuro. Deve apostar em fazer a sua ‘swot pessoal': definindo quais os seus pontos fortes; em que contexto se destaca; onde vou buscar a energia; como alavancar a sua experiência; quais as suas zonas de desconforto; quais os seus medos; os insucessos deveram-se a quê? Deve ainda "listar os seus principais sucessos e insucessos e analisar o que correu bem e mal e porquê;

2. Fazer uma história de carreira
Nesta segunda fase, deve definir o seu percurso e os seus ‘achievements'. E pensar na sua história de carreira como uma das peças de informação mais relevante que tem de produzir. Porque a "sua história de carreira é o passaporte de entrada" no mercado de emprego. Deve listar os dados pessoais mais relevantes, analisar detalhadamente os marcos de carreira, elencar as referências relevantes e definir "quais as motivações actuais e perspectivas de médio prazo". Há também que responder a esta questão: "Porque está disponível para novos desafios?".

A fase final desta etapa é a construção do currículo onde deve condensar toda a informação relevante. Uma tarefa que exige muito engenho. Depois de lerem o currículo, os futuros empregadores devem dizer: "Quero conhecer esta pessoa!";

3. Olhar para o mercado de trabalho
Nesta fase deve focar-se nos objectivos que pretende alcançar, direccionar a sua energia e ser determinado. Fundamental é obter o máximo de informação sobre o que se passa no mercado. Perceber quais as apostas que fazem sentido e estudar as oportunidades. Hoje há que olhar para o mercado sem fronteiras. "As empresas estão cada vez mais a ir para fora e, nesse caso, há que pensar se queremos ou não ter uma experiência internacional", sublinhou Mariana Branquinho da Fonseca.

Tem ainda que "mapear" os ‘stakeholders'- chave, identificar os factores críticos de sucesso e definir uma estratégia de acção. Depois há que saber como encontrar as oportunidades. O que pode ser feito através de convites espontâneos; anúncios ou candidaturas espontâneas; ‘headhunting' e ‘networking'. Em termos informais deve alavancar os contactos pessoais e profissionais directos e indirectos;

4. Traçar um plano de acção
Nesta fase, deve fazer um plano interno e externo. Esse plano externo deve ter um foco no mercado: avaliar o mercado e as empresas; definir os ‘stakeholders' chave e as oportunidades. Deve olhar para a sua lista de contactos e definir quais os mais relevantes para atingir os seus objectivos;

5. Conheça as oportunidades e prepare a entrevista
Esta pode ser a fase decisiva. Na entrevista "não se esqueça que é muito importante ser um bom comunicador, mas é igualmente fundamental saber escutar!". Fundamental é seguir os seguintes pontos: pontualidade; apresentação; concentração; atitude activa e positiva, postura natural, tranquila, simpática e flexível; discurso aberto e transparente promovendo um diálogo; destaque para o que for relevante; recolha de informação e, no final, acorde os próximos passos;

6. Reavaliação dos resultados obtidos
Nesta fase há dois cenários possíveis: ou tem uma proposta desafiante, neste caso terá que aferir o seu índice de motivação e entusiasmo; reflectir sobre os aspectos do desafio e sobretudo não se precipitar e medir o custo de oportunidade. Caso não tenha obtido nenhuma resposta deve "redefinir estratégias e procurar caminhos alternativos". Até porque "o custo de oportunidade de estar afastado do mercado é muito elevado e inevitavelmente o seu capital intelectual vai-se desvalorizando.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:26 | comentar | favorito