Desempregados vão poder trabalhar na prevenção de incêndios

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai poder recrutar mil desempregados para trabalhar para os bombeiros ou autarquias na prevenção de incêndios nas florestas, segundo um protocolo hoje assinado.

“Há um duplo objetivo neste protocolo”, afirmou a ministro do trabalho e da solidariedade social Helena André, especificando que a preservação da floresta e a promoção da empregabilidade são as metas do acordo assinado entre os ministérios da Administração Interna, da Agricultura e do Trabalho.

 

O ministro da Agricultura, António Serrano, classificou aquele acordo de “extrema importância” para a floresta portuguesa que, segundo o governante, emprega atualmente mais de 200 mil pessoas.

As funções dos mil trabalhadores a recrutar pelo IEFP são a prevenção dos incêndios, a reflorestação e a vigilância das florestas, prevendo-se que lhes seja dada formação específica para estas novas funções.

 

Para o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, o protocolo hoje assinado é uma “mais valia para transformar este ano num ano bom na perspetiva de combate aos incêndios”.

“Este ano arderam cerca de 25 por cento menos área do que o ano passado”, afirmou Rui Pereira.

 

Os mil candidatos a trabalhar nas florestas têm de ser beneficiários do rendimento social de inserção e do subsídio de desemprego e vão receber um complemento do dinheiro correspondente a 20 por cento do valor que já recebem, além de subsídio de transporte e de alimentação.

Diário Digital / Lusa

publicado por adm às 23:13 | comentar | favorito