27
Jul 13
27
Jul 13

Primavera Academy procura 40 técnicos para entrada no mercado trabalho

A unidade de formação da empresa portuguesa Primavera BSS está à procura de 40 candidatos para o programa Score, que vai decorrer entre agosto e setembro.

É um programa de formação intensiva para certificar técnicos em tecnologias Primavera e integrá-los numa das 300 empresas parceiras. A entrada no mercado de trabalho não se limita a Portugal, abrangendo também as operações destas empresas em Espanha, Angola, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé.

As candidaturas estão abertas até segunda-feira e podem ser feitas no site da empresa.

O Primavera Score (Skills, Competitivity, Optimization, Results, Excellence) exige o 12º ano de escolaridade e destina-se a quem procura uma carreira na área das Tecnologias de Informação.

A primeira edição arranca a 1 de agosto e a segunda edição começa a 2 de setembro. No final do curso, os formandos terão de realizar um exame final para obter a certificação “Product Technician”, passando a integrar a Bolsa de Técnicos Primavera. O curso é realizado em horário laboral e com a duração de quatro semanas consecutivas (por edição). Vai decorrer nas instalações da Primavera Academy, em Braga e Lisboa. 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:43 | comentar | favorito
24
Jul 13
24
Jul 13

10 profissões com vagas por preencher... nos EUA

Apesar da crise há uma série de profissões que levam mais de um ano a serem preenchidas nos Estados Unidos.

Se é uma daquelas pessoas que está disposto a tentar a sorte na terra do uncle Sam, então veja esta lista elaborada pela CareerBuilder que identifica as profissões que precisam de mão de obra.

1. Delegado de vendas. Entre 2010 e 2013 são mais de 585 mil as vagas, tendo crescido 3,8% no mesmo período.

2. Operadores de máquinas/Montadores/Produção. Há atualmente 135.363 novas vagas, + 9,9%, face a 2010.

3. Enfermeiros. Área com 135.325 novas vagas (+ 5%).

4. Condutores de trator. Com 113.517 novos postos, área cresceu 6,7%.

5. Criadores de Software. Área com 103.708  novas vagas (+ 11,2%).

6. Engenheiros. 73.995 novas vagas (+ 4,9%).

7. Profissionais de Marketing. Com 57.045 novas vagas, cresceu 11,3%.

8. Contabilistas. Área com 55.670 novas vagas (+ 4,5%).

9. Mecânicos. São preciso 53.002, mais 4,1%

10. Gestores de IT/Administradores de rede. Há 48.709 vagas (+7,5%).

Esta lista resulta de um estudo consulta feita pela Harris Interactive, por encomenda da CareerBuilder, de 14 de maio a 5 de junho de 2013, a mais de 2 mil gestores de recursos humanos.

No estudo é perguntado a estes profissionais para qual destas carreiras que têm tido mais dificuldades em recrutar no período de 12 meses.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:24 | comentar | favorito
23
Jul 13
23
Jul 13

Maiores de 45 têm nova ferramenta para encontrar emprego

“Eu tenho tudo para dar”. Este podia muito bem ser o título de um novo trabalho de Luís Represas, embaixador e padrinho desta nova iniciativa da Cáritas Portuguesa, uma plataforma de emprego para maiores de 45 anos. Para o músico, é fundamental alertar consciências e a música já deu provas de que é capaz de o fazer. 

“Se as músicas podem trazer mais ânimo, alertar consciências, e são inúmeros os exemplos, pode ser que sim, que aconteça”, considera o embaixador. 

Nesta plataforma de emprego para maiores de 45 anos, quem procura trabalho pode colocar as suas competências, ao mesmo tempo que potenciais empregadores se podem socorrer desta ferramenta para procurar pessoas que correspondam às suas necessidades. Um instrumento útil numa altura em que a falta de emprego afecta uma grande parte dos portugueses. 

“Todos os problemas que vêm até à Cáritas para que ajudemos a resolver têm sempre na base a baixa de rendimentos, nalguns casos com a falta de rendimentos que tem que ver com o desemprego e, portanto, estamos a falar de um flagelo que é preciso encarar de frente”, alerta o presidente da Cáritas. 

Eugénio da Fonseca diz ainda esperar que “o Governo olhe mais numa perspectiva do crescimento e investimento económico e não tanto, como até aqui, nas questões ligadas à austeridade porque as consequências têm sido estas”. 

O presidente da Caritas Portuguesa premiou ainda, na cerimónia de apresentação da plataforma, o grupo de seis investigadores da Universidade do Porto, liderado por Marco Montalto. 

A plataforma de emprego para maiores de 45 anos, chamada de “Rede de Competências Cáritas” vai estar em funcionamento em Novembro e já existe uma centena de empresas interessadas em participar no projecto. 

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 22:41 | comentar | favorito
21
Jul 13
21
Jul 13

Cem empregos em Sines

Uma nova superfície comercial vai levar à criação de 100 empregos em Sines. Contudo, a abertura deste superfície ainda não tem data prevista, sendo que a Sonae lançou um convite a potenciais interessados a cargos de vendedores, operadores e responsáveis de loja, chefes de vendas e optometristas.

O terreno, com 27 mil metros quadrados, foi vendido pela autarquia à Sonae Retail Properties, em novembro do ano passado, por mais de 2,5 milhões de euros.

Já o presidente da Câmara Municipal de Sines, Manuel Coelho, considerou que o projeto é "muito bom" para a cidade, sobretudo pela criação de emprego que é "muito significativa".

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/n


publicado por adm às 11:35 | comentar | favorito
tags:
13
Jul 13
13
Jul 13

Quase 86 mil com curso no desemprego

O número de desempregados com curso superior aumentou 25,6% em junho, face ao mesmo mês de 2012. Só no mês passado, estavam inscritos nos centros de emprego 85 888 pessoas com diploma universitário, divulgou ontem o IEFP (Instituto de Emprego e Formação Profissional).

O total de desempregados registados nos centros de emprego no final de junho era de 689 933, que representa um aumento de 6,8% em termos homólogos e uma descida de 1,9% face a maio.

A subida do desemprego foi generalizada em todas as regiões, com particular incidência nos Açores e no Alentejo. O Norte e o Algarve foram as regiões onde a subida do desemprego foi menor.

O desemprego de longa duração – desempregados inscritos há mais de um ano no centro de emprego – também sofreu um forte incremento em junho, aumentando 29,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/

publicado por adm às 12:17 | comentar | favorito
12
Jul 13
12
Jul 13

Ofertas de emprego por preencher aumentaram 47,5%, para 16.138

As ofertas de emprego por preencher totalizavam 16.138 em Junho, o que representa um acréscimo de 47,5% em termos homólogos e mais 12,3% do que em maio, informou nesta sexta-feira o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

De acordo com a informação mensal do IEFP, as actividades económicas com mais expressão nas ofertas de emprego foram as actividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio, comércio por grosso e retalho, alojamento e restauração, administração pública, educação, saúde e apoio social e a construção.

Estas actividades representam cerca de 57,4% das ofertas.

No âmbito das ofertas de emprego feitas através do IEFP foram colocadas 6.488 pessoas, o que representa mais 16,8% em termos homólogos e menos 19,8% face ao mês de Maio deste ano.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Junho era de 689.933, o que representa um aumento de 6,8% em termos homólogos e uma descida de 1,9% face a maio.

O total de desempregados registados nos centros de emprego no final de Junho aumentou 43.978 em relação ao mesmo mês do ano passado e desceu 13.272 em relação ao mês de Maio deste ano.

Os 689.933 desempregados registados em Junho correspondem a 78,3% do total de 881.277 pessoas que se inscreveram para pedir emprego.

fonte:http://www.publico.pt/ec

publicado por adm às 23:06 | comentar | favorito
tags:
08
Jul 13
08
Jul 13

7 ideias para conseguir emprego

A menos que passe a vida a saltar de emprego em emprego – o que, já de si, é suspeito para qualquer empregador que se preze – é muito difícil ser realmente bom numa entrevista de trabalho. Mas pode, pelo menos, esforçar-se por não parecer tão mau que acabe por ser rejeitado mesmo sendo o único candidato. Aqui ficam sete ideias que podem ajudá-lo a preparar-se o melhor possível.

 

1. Só tem uma oportunidade para causar uma boa primeira impressão, por isso, prepare o melhor possível os primeiros minutos. Além do óbvio – escolher a roupa com cuidado, chegar a horas, informar-se sobre a empresa e o cargo em causa –, se sofre de suores frios, tremores e nervoso miudinho, tente fazer qualquer coisa que o relaxe antes de ir para a entrevista. Vá ao ginásio, leia um capítulo do seu livro preferido numa esplanada, dê um mergulho no mar... o que quer que funcione para si. Nos minutos antes de entrar na sala, faça exercícios de respiração para controlar os batimentos cardíacos. Entre na sala de costas direitas e cabeça erguida mas gestos descontraídos – uma pose confiante pode fazer milagres, mas não se parecer que engoliu uma colher de pau – e sorria quando estiver a apresentar-se, falando de forma calma e articulando bem cada palavra.

2. Não faça filmes. Tentar prever como as coisas vão acontecer e prevenir-se contra tudo o que pode correr mal só vai contribuir para aumentar o seu pânico quando a entrevista se desviar daquilo que imaginou. Em vez de tentar antecipar reacções, trabalhe na sua capacidade de se adaptar a rumos inesperados que a conversa possa tomar – e especialmente de reconduzi-la ao caminho que mais lhe convém.

3. Imite. Não sabe o que fazer às mãos? Se há-de encostar-se na cadeira para parecer descontraído ou inclinar-se para a frente para mostrar interesse? Se deve cruzar a perna ou manter os dois pés no chão? Copie a linguagem corporal dos seus entrevistadores e esforce-se por fazê-lo com naturalidade. Se tem tiques nervosos – está sempre a mexer no cabelo ou rói as unhas ou esfrega as palmas das mãos nas pernas a cada cinco segundos para ter a certeza de que não estão transpiradas – evite-os, por exemplo levando um caderno e uma caneta para a entrevista e tirando apontamentos. Não só mostrará mais interesse como manterá as mãos ocupadas e longe dos gestos que, repetidos à exaustão, o fariam parecer um psicopata perigoso.

4. Não invente. Se lhe perguntarem por um momento particularmente mau da sua carreira, seja o mais honesto possível. Não invente desculpas para o que correu mal; assuma as suas responsabilidades na perda de um cliente importante ou explique como um mau briefing arruinou um projecto que parecia ganho à partida. Se a culpa não foi sua, explique-o com igual clareza, mas evite discorrer sobre a incompetência de colegas ou chefes. Uma resposta clara e concisa, sem juízos de valor, será suficiente para esclarecer os seus entrevistadores e demonstrar-lhes que não estão perante um língua de trapo capaz de desfazer qualquer colega à primeira oportunidade e contar ao mundo tudo o que se passa no escritório.

5. Deixe um (grande) bocadinho à imaginação. Sim, você está ali para dar-se a conhecer no seu melhor. Mas não há necessidade de contar pormenorizadamente cada momento que contribuiu para chegar onde está ou lamentar-se demoradamente sobre os azares que teve na vida. Ser confiante é uma coisa, convencido é outra. Da mesma forma como a humildade nada tem que ver com a falta de auto-estima. Seja qual for o seu caso – superego ou insegurança grave –, não há necessidade de se mostrar exactamente como é. Dourar a pílula não é nenhum pecado – excepto se se vender como a última Coca-Cola do deserto quando no fundo não passa de um profissional medíocre.

6. Não se ofenda. Nada é pessoal. Se lhe parecer que de repente a entrevista começou a azedar, não se atire aos seus entrevistadores e evite parecer desesperado. Lembre-se que eles não foram ali para o crucificar mas antes estão a investir tempo em si, para conhecê-lo melhor e talvez dar-lhe um emprego. Só essa ideia já deve ajudá-lo a abrir um sorriso. Continue a falar com calma e clareza e aproveite para falar de um momento específico da sua carreira, um episódio divertido e com o qual tenha aprendido alguma coisa importante, conduzindo a conversa de volta a um tema em que esteja mais à vontade.

7. Seja paciente. As coisas demoram o seu tempo por isso não seja ansioso. Isto vale para antes, durante e depois da entrevista. Não atropele as palavras dos seus entrevistadores. Espere pela sua vez de falar e responda apenas ao que lhe perguntam, em vez de vomitar inconsequentemente todas as suas opiniões sobre tudo e mais alguma coisa sem pausa para respirar. E não hiperventile se não lhe ligarem logo no dia a seguir. Um ou dois dias sem notícias não tem de significar que não gostaram de si.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 23:06 | comentar | favorito
06
Jul 13
06
Jul 13

Alargado prazo de inscrições para estágios internacionais

Foi alargado o prazo de inscrições para estágios internacionais dirigidos a jovens com qualificação superior. 

Os interessados têm agora até ao final de Julho para se inscreverem no programa INOV Contacto

Os estágios são remunerados e têm uma duração aproximada de 6 a 9 meses. E são realizados em entidades multinacionais, estrangeiras, portuguesas com processos de internacionalização, organismos multilaterais e alguns Centros de Negócios da Rede Externa da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Esta é uma iniciativa apoiada pela União Europeia.

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 16:26 | comentar | favorito
04
Jul 13

Cinco razões porque ninguém é bom em entrevistas de emprego

As entrevistas de emprego são um estranho ritual em que ambas as partes estão ansiosas, e inquietas, diz Drake Baer na revista Fast Company. Ficam aqui as 5 razões pelas quais ninguém é bom em entrevistas de emprego:

1) Estamos todos “descontextualizados”
As entrevistas são ferramentas simplistas porque têm lugar “em ambientes generalizados, em oposição ao contexto no qual as pessoas normalmente se comportam”, afirma Maria Konnikova.

A razão para isto é simples: durante uma entrevista, o candidato encontra-se numa situação em que tem que deixar uma boa impressão de si e das suas qualificações num espaço de tempo limitado dentro de parâmetros estrateitos delineados pelo entrevistador. Isto não se assemelha minimamente à pressão de um emprego real. Em suma, o trabalho da entrevista – tal como impressionar alguém – não é equivalente ao trabalho para o qual se está a ser avaliado.

2) Fazemos julgamentos de “fatias finas”
A impressão pessoal do entrevistador em relação ao candidato forma-se num minuto ou menos. Konnikova chama-lhe julgamentos de “fatias finas”, nos quais se está sempre a fazer rápidos julgamentos sobre outros sem de facto se saber alguma coisa sempre essas mesmas pessoas. Uma entrevista é então uma fatia, e uma que não transita necessariamente para o local de trabalho.


3) Toda a gente adora primeiras impressões
Uma pessoa começa a tirar impressões no minuto (ou sete segundos)após começar a conhecer alguém.

“Primeiras impressões são extremamente imporantes. Uma vez formadas influencíam todas impressões seguintes que vão ser feitas. Exatamente a mesma resposta numa entrevista dada por dois candidatos diferentes, um dos quais preferido pelo intervistador, será julgada de forma diferente.”, explica Konnikova.

4) Estamos cansados
Se o entrevistador tiver com aquele cansaço pós-refeição, vai ser mais díficil de agradar.

5) Estamos avaliados em média
Segundo estudos, se for o quarto extraordinário candidato do dia, a sua avaliação vai ser mais baixa do que a do primeiro candidato.

Então o que o fazer sobre isto?
Se está na posição do entrevistador pergunte aos entrevistados por exemplos daquilo que eles fizeram e como o fizeram. Caso seja o candidato faça um favor a sí mesmo e compareça cedo à entrevista.

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/E

publicado por adm às 23:31 | comentar | favorito
04
Jul 13

Bosch disponibiliza 135 estágios remunerados em Portugal

O Grupo Bosch Portugal vai disponibilizar 135 vagas para estágios remunerados para jovens, recém-licenciados e desempregados, no âmbito do programa movimento emprego. 

A empresa refere que a abertura destas vagas, distribuídas entre Braga, Aveiro, Ovar e Lisboa, insere-se na sua política de "potenciar as mais variadas oportunidades a novos talentos". 

Os interessados podem candidatar-se a um estágio em áreas técnicas como a electrotécnica, mecânica, gestão industrial e informática, ou em diferentes departamentos da empresa, como programação web, logística e compra, desenvolvimento de produto, contabilidade e finanças, engenharia do ambiente, entre outros. 

A Bosch Portugal aponta como principal requisito "ser elegível para realização de estágio profissional do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) ou medida Passaporte Emprego", sendo que o estágio terá, "no mínimo, 12 meses" e é remunerado "conforme as regras estipuladas pelo IEFP". 

As candidaturas devem ser apresentadas através da página na internet da empresa, onde os interessados podem escolher uma vaga disponível.

fonte:;http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 23:16 | comentar | favorito