22
Jun 10
22
Jun 10

Feira ensinou a procurar emprego

Iniciativa inédita na região ensinou a elaborar currículos, preparar entrevistas, planear carreiras profissionais, etc.

Ofertas de emprego, contactos profissionais, workshops e conferências animaram a 1.ª Feira do Emprego que se realizou no Centro Nacional de Exposições, em Santarém. O evento, inédito na região, proporcionou uma dezena de acções de formação gratuitas, de hora a hora, que tiveram uma boa adesão do público. Estes workshops versaram temas como preparar uma entrevista de emprego, como fazer um currículo perfeito para o anúncio certo, como criar o seu próprio emprego, como planear a carreira para garantir emprego, entre outros.

 

A Feira do Emprego contou com empresas que receberam currículos de candidatos a emprego, com o objectivo de fazer recrutamentos de novos empregados. Presentes também as instituições de ensino superior, escolas profissionais, associações empresariais, Forças Armadas e o Instituto de Emprego e Formação Profissional, etc. Atendendo à dimensão do problema do desemprego na região, a adesão do público ficou aquém da expectativa.

 

António Henriques, de 48 anos, veio procurar informação sobre como criar o seu próprio emprego. Despedido da empresa onde trabalhava há mais de uma década, no âmbito de um processo de aquisição por uma multinacional, António pretende agora criar o seu próprio negócio e achou muito útil a participação em dois workshops que lhe forneceram orientação e toda a informação necessária sobre os passos a dar.

 

Ana Fonseca concluiu o secundário e procura o primeiro emprego. "Foi uma boa oportunidade que me deram para aprender a organizar um currículo e saber escolher e responder aos anúncios e a entrevistas de emprego. Acho que depois de ter participado nestes workshops terei mais hipóteses de conseguir o que quero", disse.

João Baptista, Santarém

fonte:

Iniciativa inédita na região ensinou a elaborar currículos, preparar entrevistas, planear carreiras profissionais, etc.

Ofertas de emprego, contactos profissionais, workshops e conferências animaram a 1.ª Feira do Emprego que se realizou no Centro Nacional de Exposições, em Santarém. O evento, inédito na região, proporcionou uma dezena de acções de formação gratuitas, de hora a hora, que tiveram uma boa adesão do público. Estes workshops versaram temas como preparar uma entrevista de emprego, como fazer um currículo perfeito para o anúncio certo, como criar o seu próprio emprego, como planear a carreira para garantir emprego, entre outros.

A Feira do Emprego contou com empresas que receberam currículos de candidatos a emprego, com o objectivo de fazer recrutamentos de novos empregados. Presentes também as instituições de ensino superior, escolas profissionais, associações empresariais, Forças Armadas e o Instituto de Emprego e Formação Profissional, etc. Atendendo à dimensão do problema do desemprego na região, a adesão do público ficou aquém da expectativa.

António Henriques, de 48 anos, veio procurar informação sobre como criar o seu próprio emprego. Despedido da empresa onde trabalhava há mais de uma década, no âmbito de um processo de aquisição por uma multinacional, António pretende agora criar o seu próprio negócio e achou muito útil a participação em dois workshops que lhe forneceram orientação e toda a informação necessária sobre os passos a dar.

Ana Fonseca concluiu o secundário e procura o primeiro emprego. "Foi uma boa oportunidade que me deram para aprender a organizar um currículo e saber escolher e responder aos anúncios e a entrevistas de emprego. Acho que depois de ter participado nestes workshops terei mais hipóteses de conseguir o que quero", disse.

João Baptista, Santarém

publicado por adm às 22:54 | comentar | favorito
18
Jun 10
18
Jun 10

Vários professores ficarão sem emprego com encerramento de escolas, diz Fenprof

A Fenprof alertou, esta quinta-feira, que vários professores poderão vir a ficar sem emprego, caso se verifique o encerramento de escolas anunciado pelo Governo e a consequente fusão de agrupamentos escolares.

«Podemos ter milhares de professores a ficarem com horário zero, já não falando nos professores contratados, que não renovando contrato, evidentemente vão embora», declarou Mário Nogueira, citado pela TSF, à saída de uma reunião com o secretário de Estado da Educação.

O sindicalista adiantou que, apesar de não se saber que agrupamentos vão ser fundidos, o processo já teve início em Castro D’Aire e São Pedro do Sul. A Fenprof, que tem uma manifestação marcada para o final do mês em Viseu, irá agora reunir-se com as confederações de pais e com a associação de municípios.

publicado por adm às 22:56 | comentar | favorito
17
Jun 10
17
Jun 10

Desempregados vão poder trabalhar na prevenção de incêndios

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai poder recrutar mil desempregados para trabalhar para os bombeiros ou autarquias na prevenção de incêndios nas florestas, segundo um protocolo hoje assinado.

“Há um duplo objetivo neste protocolo”, afirmou a ministro do trabalho e da solidariedade social Helena André, especificando que a preservação da floresta e a promoção da empregabilidade são as metas do acordo assinado entre os ministérios da Administração Interna, da Agricultura e do Trabalho.

 

O ministro da Agricultura, António Serrano, classificou aquele acordo de “extrema importância” para a floresta portuguesa que, segundo o governante, emprega atualmente mais de 200 mil pessoas.

As funções dos mil trabalhadores a recrutar pelo IEFP são a prevenção dos incêndios, a reflorestação e a vigilância das florestas, prevendo-se que lhes seja dada formação específica para estas novas funções.

 

Para o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, o protocolo hoje assinado é uma “mais valia para transformar este ano num ano bom na perspetiva de combate aos incêndios”.

“Este ano arderam cerca de 25 por cento menos área do que o ano passado”, afirmou Rui Pereira.

 

Os mil candidatos a trabalhar nas florestas têm de ser beneficiários do rendimento social de inserção e do subsídio de desemprego e vão receber um complemento do dinheiro correspondente a 20 por cento do valor que já recebem, além de subsídio de transporte e de alimentação.

Diário Digital / Lusa

publicado por adm às 23:13 | comentar | favorito